Presidente da República Centro-Africana está em Camarões

O governo de Camarões informou que o presidente deposto da República Centro-Africana fugiu para Camarões, onde pediu abrigo "temporário" antes de seguir para um outro país. O secretário-geral de Camarões, Ferdinand Ngoh Ngoh, disse nesta segunda-feira que o presidente da República Centro-Africana, François Bozize buscou abrigo em Camarões.

Agência Estado

25 de março de 2013 | 12h56

Um dos líderes rebeldes, Michel Djotodia, declarou-se presidente hoje, afirmando se considerar o novo chefe de Estado. Mas outro líder rebelde disse aos jornalistas que o grupo não reconhece Djotodia e que contestará sua tentativa de assumir a chefia do país.

Um jornalista de uma rádio francesa perguntou a Djotodia se ele deveria ser chamado de senhor presidente. Em entrevista levada ao ar pela rádio RFI, nesta segunda-feira, Djotodia declarou que "eu me considero, neste momento, o chefe de Estado". Perguntado por quanto tempo permaneceria no poder, Djotodia sugeriu que ficaria por três anos, o que falta para a conclusão do mandato não terminado do presidente François Bozize.

Em Paris, Nelson N''Jadder, presidente do Revolução por Democracia, um dos grupos rebeldes que pertence à coalizão rebelde Seleka, que invadiu a capital, disse que seus combatentes não reconhecem Djotodia.

Segundo ele, os membros da coalizão rebelde haviam concordado em invadir o palácio presidencial e anunciar uma transição de 18 meses até a realização de novas eleições e que nunca houve um consenso a respeito de indicar Djotodia como o líder geral do movimento.

"Nós não o reconhecemos como presidente", declarou N''Jadder à Associated Press de Paris, por telefone. Nós havíamos concordado em seguir para Bangui para deter Bozize e anunciar uma transição de 18 meses, uma transição que seria o mais rápida possível e não uma que vá durar três anos", disse ele. "Eu tenho soldados leais a mim em número suficiente para atacar Djotodia e pretendo tomar um avião na quarta-feira para Bangui." As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.