Presidente da Sérvia vê conseqüências negativas em decisão da UE

O presidente da Sérvia, Boris Tadic, alertou nesta quinta-feira que a decisão da UE de suspender as conversações da pré-integração de Belgrado ao grupo, após a falha de captura do fugitivo acusado de crimes de guerra Ratko Mladic, poderá ter "péssimas conseqüências" ao país.Tadic disse em um comunicado que caso a UE retire da Sérvia a possibilidade de ingressar no bloco, isso irá acabar com a credibilidade do governo e enfraquecerá seus esforços de prevenção à separação de Kosovo e Montenegro.A União Européia anunciou nesta quarta-feira que estava suspendendo as negociações com a Sérvia, dizendo que elas poderiam ser recomeçadas assim que Mladic fosse entregue ao Tribunal de Haia.A suspensão dos acordos chega como uma bomba para a Sérvia, que pretende sair do isolamento no qual foi jogada durante os anos de governo do ex-presidente Slobodan Milosevic.Mladic é acusado pelo Tribunal de Haia por ter orquestrado o massacre de Srebrenica, em 1995, quando 8 mil muçulmanos foram mortos - a pior carnificina da Europa desde a II Guerra Mundial. Acredita-se que ele está esteja protegido por simpatizantes de Milosevic que compõem a polícia e o exército local. Ainda nesta quinta-feira, o governo sérvio se reuniu para discutir o caso de Mladic e concluiu que todas as instituições devem "dobrar seus esforços" para encontrá-lo.A rádio independente B92 e as redes de televisão reportaram que dois dos principais colaboradores de Mladic foram presos nesta quinta. Outros cinco aliados do general já foram presos nos últimos dois meses. As prisões ainda não foram confirmadas oficialmente.A suspensão das conversas entre UE levaram à renúncia do vice-primeiro-ministro, Miroljub Labus. Antes de sair, Labus disse que o governo tinha "traído o maior interesse do país e dos cidadãos sérvios".Em Haia, a promotora chefe de crimes de guerra da ONU, Carla Del Ponte, qualificou o tratamento do caso pela Servia de "amador" e disse que o general está escondido na região de Belgrado, mudando de apartamento diariamente. Del Ponte disse que o primeiro-ministro, Vojislav Kostunica, havia prometido pessoalmente que a prisão de Mladic era iminente.A suspensão das conversas entre a UE e a Sérvia "cai como uma luva" para os separatistas de Montenegro, que esperam ganhar a independência para a pequena república, disse Tadic. Um referendo que decidirá se Montenegro se tornará independente está marcado para o dia 21 de maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.