Presidente da Síria promete cooperação total para aplicação da resolução da ONU

O presidente sírio, Bashar al-Assad,prometeu nesta sexta-feira que irá cooperar totalmente com a ONU para a aplicação daresolução 1701 do Conselho de Segurança e que intensificará ocontrole da fronteira com o Líbano, afirmou o secretário-geral daONU, Kofi Annan. "O presidente Assad prometeu que a Síria ajudará totalmente aaplicar a resolução 1701", disse Annan. Annan acrescentou que a Síria "prometeu aumentar o controle desua fronteira com o Líbano". O secretário-geral disse que o governante sírio lhe prometeu quetomaria as medidas necessárias para estreitar as relações com asforças de segurança libanesas neste assunto. A resolução 1701, que conduziu ao fim das hostilidades entreIsrael e a milícia do Hezbollah, estipula também o posicionamento detropas libanesas e multinacionais sob o comando da ONU no sul doLíbano. Annan acrescentou que as conversas com o presidente sírio tinhamsido "longas e construtivas para a aplicação da resolução 1701" Além disso, comentou que Assad lhe mostrou suas objeções arespeito do posicionamento de tropas estrangeiras ao longo dafronteira sírio-libanesa, o que a Síria considera uma "agressão"contra seu território. O secretário-geral insistiu em que o objetivo de sua visita é"garantir a aplicação plena da resolução 1701 que não só implica nocessar-fogo entre Hezbollah e Israel, mas confirma a necessidade deuma visão de futuro para alcançar uma paz global no Oriente Médio,que ponha sobre a mesa todos os assuntos". Annan explicou que, entre outras medidas, há uma tentativa paraestabelecer postos de vigilância fronteiriça conjuntos entre Síria eLíbano para controlar a região. Quanto ao desarmamento das milícias existentes no Líbano, comoestipula a resolução 1559 da ONU, Annan disse que Assad haviaafirmado que a Síria "defende as decisões tomadas pelo DiálogoNacional neste ponto". Diferentes grupos e líderes políticos libaneses participam dochamado Diálogo Nacional para tentar tomar decisões comuns econsensuais sobre os assuntos mais importantes da políticaLibanesa. Durante a conversa, Assad também mostrou sua disposição arestabelecer relações diplomáticas com o Líbano, e a delimitar asfronteiras entre os dois países. Annan acrescentou que insistiu com o chefe de Estado sírio nanecessidade de realizar uma reunião entre Assad e oprimeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, "para melhorar as relaçõesentre ambos os países". Após visitar Líbano, Israel e Jordânia, a passagem de Annan pelaSíria, no marco da viagem pelo Oriente Médio para garantir aaplicação da resolução 1701, era considerada de grande importânciajá que Damasco, junto a Teerã, é acusado pela comunidadeinternacional de prestar apoio ao Hezbollah. Para a Síria, que louvou em várias ocasiões as ações armadas dogrupo xiita contra Israel, o Hezbollah é um grupo de "resistência" àocupação israelense dos territórios libaneses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.