Presidente da Somália escapa ileso de ataque com morteiro

O presidente da Somália, AbdullahiYusuf, escapou ileso de um ataque realizado com morteiros naresidência oficial na capital do país, neste sábado, horas apósretornar a Mogadíscio de uma viagem internacional, de acordocom um de seus assessores. "Quatro morteiros foram disparados contra o paláciopresidencial. Três deles caíram do lado de fora, enquanto umdeles caiu dentro do complexo de prédios. Ninguém se feriu",disse à Reuters o assessor, que não quis ser identificado. Ele confirmou que Yusuf estava no complexo de prédiospresidenciais no momento do ataque, mas não estava claro se oalvo principal era o presidente. Yusuf chegou a Mogadíscio durante a manhã, após uma viageminternacional para procurar cuidados médicos. O presidente de73 anos, que realizou um transplante de fígado háaproximadamente 14 anos, deixou a Somália no dia 4 de janeiro,com problemas de saúde. O porta-voz do presidente, Hussin Mohamud Hubsired, disseque "a prioridade (de Yussuf) é agilizar os trabalhos dogoverno" e dar continuidade ao esforço de reconciliação paraestabelecer uma paz duradoura. Um grupo local de ativistas dos direitos humanos afirmou nosábado que cerca de 300 civis foram mortos em janeiro na cidadede Mosgadíscio. O presidente da Organização Elman para a Paz e os DireitosHumanos, Sudan Ali Ahmed, disse que 292 civis foram mortos e385 feridos apenas no mês passado. Ahmed estimou que 2 milhões de somalis deixaram suasresidências na capital desde que líderes islâmicos foramretirados de suas fortalezas em 2007, provocando a insurgênciade membros remanescentes do movimento. Ahmed afirmou que possui 116 funcionários que trabalhamdisfarçados para obter os números de mortes. "Algumas vezestestemunhamos nós mesmos os incidentes e geralmente coordenamos(a situação) com os hospitais e a mídia", acrescentou, portelefone. A violência em Mogadíscio tem ocorrido por meio de ataquesde insurgentes com granadas e com bombas de beira de estradas,atraindo a retaliação de tropas do governo e de aliados. (Reportagem de Aweys Yusuf)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.