Khalfan Said/AP
Khalfan Said/AP

Presidente da Tanzânia e negacionista da covid-19, John Magufuli morre aos 61 anos

Morte, que ocorreu após mais de duas semanas de ausência da vida pública, foi anunciada na TV pela vice-presidente, Samia Suluhu Hassan, que alegou que ele teve um 'problema cardíaco'

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2021 | 19h36

NAIRÓBI - O presidente da Tanzânia, John Magufuli, um dos céticos mais proeminentes do coronavírus da África, morreu aos 61 anos. Sua morte foi anunciada na TV pela vice-presidente do país, Samia Suluhu Hassan, nesta quarta-feira, 17, após uma ausência de mais de duas semanas da vida pública, que levou a especulações sobre a saúde dele. Ela disse que ele morreu por causa de um "problema cardíaco". 

Magufuli não era visto em público desde 27 de fevereiro, gerando rumores de que ele havia contraído covid-19. As autoridades negaram em 12 de março que ele tivesse adoecido. Ele foi o primeiro presidente da Tanzânia a morrer durante o mandato.

"Caros tanzanianos, é triste anunciar que hoje, 17 de março de 2021, por volta das 18h, perdemos nosso bravo líder, o presidente John Magufuli, que morreu de doença cardíaca no hospital Mzena em Dar es Salaam, onde estava recebendo tratamento ", disse a vice-presidente em transmissão da emissora estatal TBC.

Ela disse que os preparativos para o funeral estavam em andamento e anunciou 14 dias de luto e hasteamento de bandeiras a meio mastro. O primeiro-ministro Kassim Majaliwa disse na sexta-feira que havia falado com Magufuli e culpou alguns tanzanianos "odiosos" que viviam no exterior pela narrativa da doença do presidente.

Tundu Lissu, o principal rival de Magufuli nas eleições de outubro, nas quais o presidente ganhou um segundo mandato de cinco anos, sugeriu que o líder da Tanzânia foi levado de avião para o Quênia para tratamento contra a covid-19 e depois transferido para a Índia em coma. Lissu vive exilado na Bélgica.

De acordo com a Constituição da Tanzânia, a vice-presidente Hassan, de 61 anos, deve assumir a presidência pelo restante do mandato. Ela se tornará a primeira mulher presidente de uma nação da África Oriental. Nascida no arquipélago semi-autônomo de Zanzibar, Hassan estudou economia no Reino Unido, trabalhou para o Programa Mundial de Alimentos da ONU (FAO) e depois ocupou vários cargos no governo antes de se tornar a primeira mulher vice-presidente da Tanzânia em 2015.

Hassan disse que Magufuli foi internado em 6 de março no Jakaya Kikwete Cardiac Institute por problemas cardíacos e teve alta no dia seguinte. Uma semana depois, ele se sentiu mal e foi levado às pressas para o hospital de Mzena, onde estava recebendo tratamento sob supervisão de médicos do instituto cardíaco.

'Deus e inalação'

Apelido de "escavadeira" por sua reputação de promover políticas apesar da oposição, Magufuli frustrou a Organização Mundial da Saúde (OMS) durante a pandemia por minimizar a ameaça do coronavírus, dizendo que "Deus e inalação" protegeriam os tanzanianos.

O ex-professor de química zombou de testes de coronavírus, denunciou as vacinas como parte de uma conspiração ocidental para tirar a riqueza da África e se opôs ao uso de máscaras e ao distanciamento social. 

A Tanzânia parou de relatar dados de coronavírus em maio do ano passado, quando informou ter registrado 509 casos e 21 mortes, de acordo com a OMS, que pediu ao governo que fosse mais transparente. 

Em fevereiro, a Tanzânia, que alegava estar livre da covid-19 graças às orações, vivenciou uma onda de mortes atribuídas oficialmente à pneumonia.

No dia 19, no funeral do chefe da administração pública John Kijazi, cuja causa da morte não foi informada, Magufuli admitiu a presença de uma "doença respiratória" no território.

No dia 24, o ministro da Economia Philip Mpango, que tossia e respirava com dificuldade, foi obrigado a desmentir em uma entrevista coletiva os rumores de que Kijazi teria morrido de covid-19. 

Magufuli apareceu pela última vez em público em 27 de fevereiro. Desde então, o devoto católico faltou a missa três vezes.

Ele foi reeleito para um segundo mandato em 2020, ganhando 84% dos votos em uma eleição que a oposição disse ter sido marcada por irregularidades e cujos resultados rejeitou./REUTERS E AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.