Franck Robichon/Efe
Franck Robichon/Efe

Presidente da Tepco renuncia após prejuízo por tragédia no Japão

Perdas chegam a US$ 15 bilhões; políticos criticaram a empresa pela gestão da crise nuclear

Reuters

20 de maio de 2011 | 10h39

TÓQUIO - A Tokyo Electric Power Co (Tepco) divulgou nesta sexta-feira, 20, um prejuízo de US$ 15 bilhões devido ao desastre na usina nuclear em Fukushima, o que representa o maior prejuízo de uma empresa não-financeira no Japão e levou a companhia a fazer um alerta sobre as incertezas de seu futuro.

 

Veja também:

especialInfográfico: Entenda o terremoto

especialInfográfico: Maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

Muito criticado, o presidente Masataka Shimizu, de 66 anos, renunciou após a pior crise nuclear no mundo desde Chernobyl em 1986, abrindo caminho para o diretor-gerente da empresa, Toshio Nishizawa, 60 anos.

 

Engenheiros estão lutando para controlar vazamentos de radiação e retomar o controle da usina localizada a nordeste de Tóquio mais de dois meses após o terremoto de magnitude 9 e um tsunami devastarem uma grande área da costa japonesa e empurrarem a economia para uma recessão.

O desastre levou a uma queda de 80% por cento no valor da ações da Tepco e forçou a empresa a buscar ajuda do governo para pagar as indenizações financeiras, que, segundo cálculos de alguns analistas, podem ultrapassar os US$ 100 bilhões.

Saudação

 

Antes de sua declaração, Shimizu se curvou diante de uma coletiva de imprensa lotada na sede da empresa na capital. Nishizawa, que trabalha na companhia desde 1975, estava à sua esquerda.

"Lamentamos pelas vítimas do terremoto e do tsunami. Ao mesmo tempo, queremos nos desculpar sinceramente por nossos reatores nucleares em Fukushima causarem tamanha ansiedade, preocupação e perturbação à sociedade", disse o presidente demissionário.

Números

 

Para o ano comercial encerrado em 31 de março, a empresa relatou um prejuízo bruto de 1,25 trilhão de ienes (15 bilhões de dólares) depois de somar um trilhão de ienes para descartar os reatores de Fukushima e amortizar ativos de impostos.

As cifras foram divulgadas após o fechamento do pregão do mercado de ações de Tóquio e representa um marco nos 60 anos de história da empresa.

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, e outros legisladores criticaram duramente a Tepco pela maneira como tratou do desastre. Shimizu não fez nenhuma aparição pública nas duas semanas que se seguiram ao desastre de 11 de março, despertando críticas de que faltava liderança à Tepco, enquanto luta para retomar o controle da usina.

Pouco depois, ele foi hospitalizado com ataques de tontura à medida que o valor das ações da Tepco despencava e a empresa se aproximava do colapso.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOTEPCORENUNCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.