Presidente das Filipinas declara estado de emergência

A presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, declarou estado de emergência nesta sexta-feira, dizendo que ela está sendo vítima de uma conspiração. O exército confinou suas tropas nos quartéis para não deixar se juntem aos protestos contra a decisão da presidente. Os conflitos foram detidos pela polícia que usou canhões de água, escudos e cassetetes para dispersar cerca de 5.000 manifestantes, o conflito lembrou as paralisações de 1986 que levaram o ditador Ferdinand Marcos a ser deposto. Várias pessoas foram presas e feridas.Depois da violência, ex-presidente Corazon Aquino e os manifestantes puderam marchar pacificamente a um memorial construído para o marido da presidente, Banigno, que foi assassinado em 1983, em meio a uma maré de protestos contra Marcos. O exército prendeu um general acusado de ter se envolvido na conspiração. O exército das Filipinas tem um histórico de não ajudar o governo em situações deste tipo.Gloria, que já sobreviveu a outros dois atentados de golpe, disse que a oposição política e extremistas de esquerda e direita estão determinados a derrubar seu governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.