Presidente de Burkina Fasso decreta estado de sítio

Presidente de Burkina Fasso decreta estado de sítio

País tem, há dois dias, onda protesto violento dos cidadãos contra a reforma constitucional impulsionada pelo chefe de Estado para prolongar seu mandato; Parlamento foi invadido e residências de ministros foram incendiadas

O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2014 | 16h57


OUAGADOGOU - O presidente de Burkina Fasso, Blaise Compaoré, decretou nesta quinta-feira, 30, o estado de sítio no país e dissolveu o governo, após um grande e violento protesto dos cidadãos contra a reforma constitucional impulsionada pelo chefe de Estado para prolongar seu mandato.

Compaoré, que tomou essa decisão depois de se reunir com seu Conselho de Ministros, afirmou que está disposto a negociar com a oposição e que o general do Exército, Gilbert Diendere, será agora o encarregado de restabelecer a ordem no país, informou a imprensa local.

Com a declaração do estado de sítio, se produz uma transferência de poderes das autoridades civis às autoridades militares, que podem recorrer à repressão por estarem suspensas todas as garantias constitucionais.

A Assembleia Nacional deveria ter votado nesta quinta-feira uma emenda constitucional que permitiria ao chefe de Estado continuar no poder em um quinto mandato, mas os protestos, que incluíram ataque e um incêndio no Parlamento, obrigaram o governo a paralisar e anular a negociação do projeto.

Após um dia de distúrbios e confrontos, a única notícia sobre o presidente do país tinha sido divulgada por uma curta mensagem em seu perfil no Twitter. Pela rede social, Compaoré pediu "calma e serenidade".

Na manhã desta quinta-feira, milhares de manifestantes se reuniram em frente ao prédio do Parlamento, que estava cercado por tropas do Exército e policiais como precaução para possíveis manifestações.

O cordão de isolamento organizado pelas forças de segurança não resistiu aos empurrões dos manifestantes, que conseguiram entrar na Assembleia e incendiaram o prédio.

A partir desse momento, o caos tomou conta da capital com intensos confrontos entre os cidadãos e a polícia, nos quais, segundo a imprensa local, pelo menos cinco pessoas morreram.

Os manifestantes também atacaram as sedes da televisão e da rádio públicas, interrompendo as transmissões, e várias lojas da cidade foram saqueadas.

Depois, incendiaram as residências de diferentes ministros e finalmente seguiram em direção ao palácio presidencial, onde foram dispersados a tiros.

Por outra parte, o irmão do presidente, François Compaoré, pode ter sido preso pela polícia no aeroporto, onde a companhia aérea nacional, Air Burkina, anunciou o cancelamento de todos os voos de saída e chegada à capital.

Os protestos se espalharam por outras cidades como Bobo Dioulasso, onde foi incendiada a sede do partido de Compaoré, o Congresso para a Democracia e o Progresso (CDP), informaram fontes do partido à Agência Efe.

Cerca de três horas depois do ataque ao Parlamento, uma parte do Exército começou a se unir aos manifestantes na Praça da Nação, com o general Kouamé Lougué à frente.

Aclamado por milhares de cidadãos, ele rebatizou o lugar como "Praça da Revolução" e se autoproclamou chefe do Estado, enquanto alguns jornalistas da imprensa local informavam uma possível fuga do presidente para o Senegal.

Para o líder da oposição, Zéphirin Diabré, o presidente "perdeu toda a legitimidade e deve arcar com as consequências".

Compaoré, que está no poder desde 1987 após protagonizar um golpe de Estado, poderia se candidatar de novo às eleições de 2015 caso a emenda fosse aprovada.

Os protestos tiveram início há dois dias, quando milhares de cidadãos se manifestaram na capital aos gritos de "27 anos é suficiente", em alusão ao tempo que Compaoré está no poder.

Desde a independência do país da França, em 1960, até a chegada de Compaoré à presidência, em 1987, a história de Burkina Fasso se caracterizou por uma sequência de golpes de Estado.

Em maio de 1983, o golpe foi liderado pelo capitão Thomas Sankara, que estabeleceu um Conselho Nacional Revolucionário e nomeou Blaise Compaoré ministro de Estado da presidência.

Em agosto de 1984, o país foi renomeado como Burkina Fasso (terra dos homens incorruptíveis) e se introduziram medidas de austeridade econômica que provocaram tensões entre alguns setores da população.

Em outubro de 1987, um novo golpe destituiu Sankara, que foi executado, e Blaise Compaoré chegou ao poder. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Burkina FassoCompaoré

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.