Luong Thai Linh/Pool via Reuters
Luong Thai Linh/Pool via Reuters

Presidente de Cuba defende candidatura do país ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Miguel Díaz-Canel compartilhou artigo de jornal estatal que fala em importantes conquistas; organizações como a Anistia Internacional denunciam violações de direitos e liberdades na ilha

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2020 | 17h39

HAVANA -  O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, defendeu nesta quinta-feira, 27, a candidatura do país ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, enquanto muitas organizações como a Anistia Internacional denunciam violações de direitos e liberdades na ilha. 

"Temos moral e temos este direito", disse Díaz-Canel em um post no Twitter , dois dias após seu chanceler, Bruno Rodriguez, anunciar em Genebra que Cuba aspira ocupar uma das 47 cadeiras do Conselho no período de 2021 a 2023. 

Na postagem, o presidente cubano compartilhou um artigo do jornal estatal Granma, órgão oficial do Partido Comunista de Cuba, com o título "Razões que balizam a candidatura de Cuba ao Conselho de Direitos Humanos". 

O texto garante que o país do Caribe exibe com orgulho "importantes conquistas em escala internacional" ao assumir um "compromisso real com a promoção e proteção de todos os direitos humanos para todas as pessoas e povos do mundo". 

"Cuba tem resultados relevantes em termos de educação, saúde e previdência social, reconhecidos mundialmente", explica o artigo, que fala em "mais de 400 mil profissionais de saúde que completaram missões em 164 países".

Essas missões médicas são o pilar da exportação de serviços profissionais que Cuba realiza e se estabeleceu como uma das principais fontes de câmbio no Estado cubano.

O texto afirma que, com sua candidatura, o país do Caribe "continuará contribuindo para a comunidade internacional por meio de sua experiência em diálogo e cooperação, em prol dos direitos humanos".

No entanto, a candidatura do país coincide com a publicação do relatório anual da Anistia Internacional, que denuncia violações de direitos humanos em Cuba.

A organização internacional acusa o governo de Díaz-Canel de continuar "detendo e aprisionando arbitrariamente artistas e jornalistas independentes, além de membros da oposição política".

A Anistia assegura que em Cuba há pessoas presas por terem "manifestado pacificamente suas opiniões ou crenças" e lembra que a ONG cubana Prisoners Defenders certificou uma lista de 71 presos políticos. 

Além disso, o relatório indica que em 2019 o governo cubano "não ratificou tratados internacionais de direitos humanos e se negou a fortalecer a independência do judiciário ou alinhar a legislação criminal cubana com os padrões internacionais de direitos humanos". /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.