Presidente de estatal petrolífera boliviana renuncia

O presidente da petrolífera estatal boliviana YPFB, Juan Carlos Ortiz, anunciou nesta sexta-feira que renunciou ao cargo por causa de divergências com o governo e para evitar uma "campanha" de desmoralização de sua gestão."Saio da presidência da YPFB porque eu tenho uma visão de como tem que ser a empresa que não consegui que fosse compreendida", disse a jornalistas o executivo, que assumiu o cargo para transformar a estatal em uma empresa capaz de gerenciar os milhões gerados pelo setor de gás natural no país.Ortiz, um especialista no setor de petróleo com experiência nos setores público e privado, assumiu a direção da estatal em 28 de agosto de 2006 em substituição a Jorge Alvarado, homem de confiança do presidente Evo Morales que, depois de sete meses no posto, deixou a presidência da estatal em meio a denúncias de corrupção.Ortiz, que já havia tentado renunciar em dezembro, anunciou sua demissão de forma surpreendente somente horas depois de declarar à imprensa que mantinha "relações cordiais e normais" com Morales e com o ministro de Hidrocarbonetos, Carlos Villegas.Ele inclusive participou de uma reunião com Villegas por volta do meio-dia da sexta-feira e anunciou, após o encontro, que os 44 contratos assinados no ano passado com uma dezena de multinacionais entrarão em vigor em 1º de fevereiro. Pelos contratos, as empresas submetem-se à nacionalização do setor de energia do país.Mas ao anunciar sua renúncia horas depois, Ortiz denunciou ser alvo de uma "campanha" de desmoralização, sem dar mais detalhes."Quero que meu nome não seja manipulado por pessoas que escondem-se atrás de anônimos para iniciar uma campanha contra minha gestão e contra minha pessoa, não vou permitir nem tolerar", disse."Fui convidado a ocupar essas funções em um momento delicado e não quero que se viva outro momento delicado porque isso gera danos ao processo (de nacionalização) em que o país está imerso."Uma fonte governamental disse à Reuters que Morales considerava nomear imediatamente o sucessor de Ortiz.Atualmente a YPFB tem negociações em curso com petrolíferas que operam no país para acordar cotas de exportação de gás natural para a Argentina, assim como conversações com a estatal brasileira Petrobras, nas quais a estatal boliviana busca um aumento nos preços do gás natural.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.