Presidente de Honduras classifica detenção de sequestro

O presidente de Honduras, Manuel Zelaya, que foi detido por soldados do Exército na madrugada de hoje, disse neste domingo ter sido "sequestrado" e levado para a Costa Rica. Em entrevista à uma rede local de televisão, Zelaya afirmou estar no aeroporto de San José, na capital costarriquenha, e que continua sendo o presidente e não reconhecerá qualquer tentativa de nomeação de um eventual substituto.

AE, Agencia Estado

28 de junho de 2009 | 14h09

Zelaya disse ainda que iria se reunir com diplomatas e enfatizou que quer concluir seu mandato, que expira em janeiro de 2010. Pedindo "negociações", ele apelou aos sindicatos, agricultores e sociedade civil hondurenhos que "protestem pacificamente" por seu retorno à presidência.

Zelaya foi detido em sua residência, num suposto golpe militar, poucas horas antes de realizar um referendo sobre mudanças constitucionais que lhe permitiriam concorrer à reeleição. O referendo foi considerado ilegal pela Suprema Corte hondurenha e sofria oposição também dos militares, Congresso e membros do próprio partido de Zelaya. As informações são da Associated Press e Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.