Michael Reynolds / EFE
Michael Reynolds / EFE

Presidente de Honduras é acusado nos EUA de receber dinheiro do narcotraficante ‘El Chapo’

Segundo promotor, irmão de Juan Orlando Hernández teria recebido US$ 1,5 milhão do ex-líder do Cartel de Sinaloa, que seria repassado ao mandatário

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2019 | 07h26

NOVA YORK, EUA - A Promotoria de Nova York disse na quarta-feira, 2, ter evidências de que o presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, e seu irmão, o ex-deputado Juan Antonio Hernández, receberam dinheiro do narcotraficante mexicano Joaquín "El Chapo" Guzmán, ex-líder do Cartel de Sinaloa.

A acusação foi feita durante a audiência que abriu o julgamento de Juan Antonio após a escolha dos 12 jurados do caso. Segundo o promotor Jason Richman, o ex-deputado teria recebido US$ 1,5 milhão de "El Chapo". O dinheiro seria repassado ao presidente hondurenho.

Juan Antonio, preso em Nova York desde o fim de 2018, responde a quatro acusações de narcotráfico, posse ilegal de arma de fogo e por mentir às autoridades americanas. Ele diz ser inocente.

Não é a primeira vez que o governo dos Estados Unidos acusa o presidente de Honduras de ter ligação com as atividades realizadas pelo irmão. No entanto, a Promotoria de Nova York não apresentou uma acusação formal contra Juan Orlando Hernández.

Irmão protegido

Durante a audiência, o promotor responsável pelo caso afirmou que Juan Orlando protegia o irmão, que se sentia "intocável" e "seguro" para agir. O ex-deputado, segundo Richman, teria traficado grandes quantidades de cocaína no país. O dinheiro era usado, entre outras coisas, para financiar campanhas políticas do Partido Nacional de Honduras.

Richman também afirmou que a rede de narcotráfico para qual Juan Antonio trabalhava foi "protegida" por funcionários corruptos do governo hondurenho. Teriam participado do esquema prefeitos, parlamentares e membros das Forças Armadas e da polícia.

Juan Orlando Hernández negou ter recebido dinheiro de narcotraficantes. O presidente de Honduras ainda afirmou que as acusações são um "ato de vingança" do governo dos EUA.

Em mensagem publicada no Twitter após a denúncia, o mandatário hondurenho voltou a criticar os promotores americanos. "A alegação em si é 100% falsa, absurda e ridícula. Isto é menos sério que Alice no País das Maravilhas", escreveu.

Advogado alega falta de provas

O advogado do irmão do presidente, Omar Malon, afirmou que a Promotoria de Nova York não tem provas contra o seu cliente e que Hernández tem autorização para andar armado, o que invalidaria uma das acusações feitas contra ele.

Um grupo de hondurenhos organizou um protesto em frente ao tribunal onde o julgamento era realizado para exigir que a justiça seja feita.

"Se ele for culpado, que caia sobre ele todo o peso da lei. E se o presidente está envolvido, que renuncie imediatamente e seja julgado pelos EUA", disse um dos manifestantes à agência de notícias Efe. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.