Presidente de Israel será interrogado por suspeita de assédio sexual

Oficiais da Polícia Nacional começarão nesta quarta-feira o interrogatório do presidente de Israel, Moshe Katsav, acusado de assédio sexual a duas funcionárias de sua residência e de favorecer conhecidos na concessão de indultos.A investigação começou quando Katsav registrou queixa contra uma funcionária, conhecida apenas pela inicial "A", a quem acusava de chantagem. A polícia interrogou dezenas de empregados na residência presidencial, e agora o chefe de Estado pode ser obrigado a renunciar.A funcionária, ao ser interrogada sobre o suposto delito de chantagem, respondeu que foi obrigada pelo presidente a manter relações íntimas, ameaçada de perder o seu emprego caso recusasse.Agentes policiais, com a autorização do assessor jurídico do Poder Executivo, Menachem Mazuz, confiscaram há dois dias o computador do presidente, que não pode proibir inspeções em sua residência, segundo a Lei Básica que rege suas funções.Os advogados de Katsav, David Libaí e Zion Amir, acusam as autoridades policiais de vazar "sistematicamente" as informações de seus interrogatórios, com o aparente objetivo de forçar a renúncia do presidente.Além disso, eles exigem a divulgação da gravação de um diálogo de "A" com Katsav, em que ela exigiria US$ 50 mil e um cargo de confiança na presidência, ameaçando denunciar suas relações íntimas.Segundo o jornal "Ha´aretz", Guila Katsav, a mulher do presidente, também seria interrogada pelos investigadores nesta Quarta-feira. Caso sejam comprovadas as denúncias, se Katsav não renunciar, poderá ser destituído pelo Parlamento (Knesset).O "Ha´aretz" afirma que um ponto-chave da investigação seria determinar se o medo de perder o emprego e de prejudicar suas possibilidades de ascensão foi um fator suficiente para obrigar as funcionárias a manter relações sexuais com Katsav.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.