Presidente de Israel volta a depor por crimes sexuais

O presidente israelense, Moshé Katsav, voltou a ser interrogado nesta quarta-feira na sua casa, em Jerusalém, por oficiais da Polícia Nacional sobre supostos delitos sexuais, entre eles pelo menos duas violações.Fontes policiais disseram que, com essa sessão, terminarão os interrogatórios para investigar pelo menos cinco denúncias por abusos sexuais de ex-funcionárias do presidente, no exercício do cargo e como ministro de Governo.A litigante mais importante é conhecida como "A", que foi secretária da residência presidencial. Sua queixa foi apresentada depois de Katsav denunciar uma tentativa de extorsão.Segundo a imprensa local, "A", que passou uma temporada nos Estados Unidos, exigiu a volta a suas funções e US$ 50 mil. O pedido teria motivado a denúncia do presidente, que em seguida foi acusadode delitos sexuais.Katsav nega as acusações, que considera "uma calúnia". Ele afirma sua inocência e tem declarado aos jornalistas que acompanham a investigação que ele e sua família estão "passando por momentos difíceis". Depois de analisar as declarações de Katsav e das mulheres que o acusaram, não identificadas publicamente, as autoridades policiais levarão suas conclusões ao assessor jurídico do Governo, Menachem Mazuz, defensor do estado de direito. É ele quem pode recomendar, ou não, que o presidente seja processado. Katsav também é suspeito de favorecer determinados presos, aproveitando a sua atribuição de conceder indultos. Ele será interrogado sobre o caso na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.