Presidente deposto da Mauritânia é libertado

O presidente deposto da Mauritânia, Sidi Ould Cheikh Abdallahi, foi libertado neste domingo, depois de passar quatro meses em prisão domiciliar. A França saudou a libertação de Abdallahi e pediu que a junta militar que o derrubou renuncie ao poder. "A solução para a crise atual depende da volta da ordem constitucional", disse a França em nome da União Européia, cuja presidência rotativa ela ocupa. Os Estados Unidos e a França cancelaram o envio de ajuda ao país africano depois que Abdallahi foi deposto por um golpe militar. Sob pressão internacional, a junta havia anunciado que planejava libertar Abdallahi em 24 de dezembro."Farei uso da minha liberdade dentro do limites que serão impostos pelos líderes golpistas. Estou bastante determinado a lutar para que esse golpe de estado fracasse", ele disse em entrevista ao jornal Le Monde antes de ser libertado. A junta militar aparentemente está permitindo que Abdallahi circule livremente dentro do país, mas não está claro se permitirá que ele viaje para o exterior, para eventos como encontros de chefes de estado africanos."O presidente planeja se comportar como o legítimo presidente da Mauritânia, mas não há dúvidas de que ele será impedido de exercer sua autoridade pelos usurpadores de poder", disse Hamoudi em entrevista por telefone. As informações são da Associated Press.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.