Presidente diz que Equador está em boas condições

O presidente Gustavo Noboa assegurou nesta segunda-feira que o Equador está em boas condições econômicas e sem problemas na área fiscal e, por isso,prepara-se para uma transição transparente entre seu governo e o do presidente ontem eleito, Lucio Gutiérrez. "Deixo (o Equador) em boas condições, basta ver que o país está terminando de construir no próximo ano um oleoduto - basta esse fato para ver que o país está diferente", disse Noboa em uma entrevista divulgada pela rádio Centro. Gutiérrez tinha 54,3% dos votos e seu oponente, Alvaro Noboa (que não tem nenhum parentesco com o atual chefe de Estado), 45,6% após serem contados 98% dos sufrágios, o que coloca o ex-coronel Gutiérrez como virtual presidente eleito do país. "Este ano não há nenhum problema nos cofres fiscais. A respeito do próximo ano, já manifestei que o orçamento que está sendo elaborado será levado à consideração do presidente eleito", explicou o governante. "Não estou dizendo que o país esteja em perfeitas condições, mas que está bem... em três anos (de governo), estou entregando um Equador diferente", acrescentou. Entre os assuntos pendentes, Noboa mencionou que quis assinar um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), mas não pôde porque "as condições impostas pelo Fundo eram tremendamente duras para o povo". No plano político, afirmou que o país "está encaminhado dentro da democracia e tem que continuar assim, isto é uma conseqüência da forma transparente pela qual foi conduzido o processo e o apoio que o presidente e seu governo deram à transparência deste processo". A respeito do ex-coronel que em 2000 liderou a derrubada do impopular governo do presidente Jamil Mahuad, disse que "é um homem que tem trabalhado duramente, e o povo equatoriano correspondeu nas urnas a esse trabalho". "É um oficial jovem, com muita vontade de lutar por seu país, e vou lhe dar todo o apoio que for necessário". "O povo equatoriano quer uma mudança - disse Noboa -, quer uma diferente forma de administrar o Equador... os povos querem justiça e votam a favor daqueles que, segundo acreditam, possam lhes fazer justiça", disse. Interrogado sobre se haverá necessidade de um "pacote" econômico a curto prazo, Noboa sugeriu que "não devemos falar em pacote porque certas palavras são tabus". A transmissão do cargo está prevista para 15 de janeiro,quando termina o mandato de Gustavo Noboa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.