Presidente diz que repetiria ação que matou Bin Laden

O presidente americano, Barack Obama, afirmou ontem, em entrevista à rede BBC, que aprovaria um novo ataque no Paquistão se agentes da inteligência localizassem ali um outro militante de alto escalão da Al-Qaeda ou o líder do Taleban, o mulá Omar. "Respeitamos a soberania do Paquistão, mas não podemos permitir que alguém planeje matar nosso povo ou nossos aliados. Não podemos permitir que esses planos sejam desenvolvidos sem tomarmos uma atitude" disse Obama.

Reuters, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2011 | 00h00

O presidente americano lembrou que a morte de Bin Laden, assassinado por uma equipe de elite da Marinha dos EUA, no dia 2 de maio, era uma de suas promessas de campanha. "Não tenho segredos. Quando era candidato, disse que se tivesse oportunidade clara contra Bin Laden, eu agiria."

Em resposta às declarações de Obama, um porta-voz do governo paquistanês disse ontem que os dois países precisam se afastar de ações unilaterais. As declarações do presidente americano tiveram um tom semelhante às do senador democrata John Kerry, presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado. Kerry não descartou que os EUA lancem uma ação contra o mulá Omar semelhante à que matou Bin Laden.

Os EUA acreditam que Omar esteja no Paquistão. Islamabad nega que o líder do Taleban esteja no país. Amanhã, Obama chega à Grã-Bretanha para uma visita de três dias - a primeira de um presidente americano ao país desde 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.