Presidente diz que só deixa o palácio morto

O presidente Evo Morales declarou ontem que só sairá morto do palácio do governo, caso os opositores tentem substitui-lo de uma forma não democrática. "Enquanto estiver na presidência constitucional, se tentarem me derrubar, terão de me tirar morto do palácio do governo", disse Evo, em discurso pronunciado a centenas de mineiros na cidade de Llallagua. Evo já denunciou, em diversas ocasiões, que existe uma conspiração da oposição contra ele. "Não temos medo dos oligarcas e de suas provocações", disse.A declaração do presidente sobre a saída do palácio foi feita horas depois que o vice-presidente Alvaro García voltou a propor aos opositores um diálogo sobre a conflituosa situação política da Bolívia, exigindo deles uma atitude "relaxada". ''''Já pedimos três vezes, desde outubro, que houvesse uma conversa relaxada, e não uma atitude de confronto por parte dos governadores'''', disse Álvaro García, em entrevista coletiva em La Paz. Segundo García, as portas do palácio estão abertas, mas os governadores de Santa Cruz, Beni, Pando, Tarija e Cochabamba, rejeitam o projeto de nova Constituição, impulsionado pelo presidente Evo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.