S. Sabawoon/Efe
S. Sabawoon/Efe

Presidente do Afeganistão 'proíbe' novos bombardeios da Otan

Segundo Karzai, ataques têm causado morte de muitos civis; bombardeio matou 14 'por engamo' no sábado

AP

31 de maio de 2011 | 05h15

CABUL- O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, afirmou nesta terça-feira, 31, que não irá mais permitir ataques aéreos da Otan sobre casas afegãs, pois eles têm causado a morte acidental de muitos civis. Segundo ele, o ataque da semana passada, que matou "por engano" 14 crianças e mulheres numa cidade do sul do país, "foi o último".

 

"A partir deste momento, ataques aéreos sobre as casas de pessoas não estão mais permitidos", disse Karzai à jornalistas em Cabul. 

 

Este foi o mais forte pronunciamento de Karzai, que prometeu tratar a Otan como "força de ocupação" em caso de novos bombardeios contra civis. Já a coalizão internacional diz que as incursões aéreas são necessárias na guerra contra os terroristas do Taleban.

 

A Otan disse que nunca conduz tal tipo de ataque sem o consentimento e aprovação do governo afegão. Um porta-voz das forças da Otan no Afeganistão disse que a aliança irá revisar seus procedimentos para bombardeios após o discurso de Karzai, mas não comentou se ocorreria uma mudança imediata em suas táticas.

 

'De perto'

 

"Nos próximos dias e semanas iremos cooperar bem de perto com o presidente Karzai para assegurar que seu pedido seja cumprido", disse o major Sunset Belinsky. Karzai já havia se posicionado contra algumas táticas militares, como ataques noturnos, apenas para recuar sobre sua posição mais tarde.

 

No entanto, se Karzai mantiver o que soa como uma ordem às tropas internacionais para abandonar os bombardeios, pode-se instaurar um conflito de interesses direto entre o governo afegão e seus aliados internacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.