Presidente do Afeganistão sai ileso de atentado do Talibã

Hamid Karzai discursava no palácio quando projétil quase atingiu o local

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, sofreu um tentativa frustrada de ataque neste domingo por guerrilheiros do Talibã. O grupo lançou um projétil que, por pouco, não atingiu o prédio onde Karzai discursava, informaram os porta-voz do governo e do Talibã. O projétil caiu a algumas centenas de metros do prédio do governo ao sudoeste de Kabul e parte do público que ouvia o discurso começou a fugir, mas Karzai insistiu para que o povo ficasse e encerrou seu discurso, disse à Reuters uma autoridade do governo e uma testemunha. O atentando não deixou feridos e Karzai, que já sobreviveu a duas tentativas de assassinato nos últimos anos, deixou o local do discurso sob um forte esquema de segurança, disse a testemunha. Alguns helicópteros operados pelas forças do Ocidente, parte da equipe de segurança do presidente afegão, sobrevoavam a região do evento no momento do ataque. Um porta-voz do Talibã, Qari Mohammad Yousuf, disse que o grupo sabia que Karzai estaria em Andar, região da província de Ghazni, para uma reunião e lançaram 12 projéteis. Karzai governa o Afeganistão desde a destituição do Talibã do poder por forças lideradas pelos Estados Unidos em 2001, mas os seus críticos o chamam de "prefeito de Kabul" pelo fato de seu poder não se estender além da capital, onde está fortalecido por tropas estrangeiras. O membro do governo disse que a visita do presidente a Ghazni estava no programa de viagem, apesar de a área ter sido palco de recentes conflitos entre o Talibã e tropas afegãs e do Ocidente. Karzai geralmente viaja sob a proteção de homens treinados pelos Estados Unidos, além de forças estrangeiras. Os conflitos pioraram no Afeganistão e mataram mais de 5 mil pessoas nos últimos 17 meses, um dos momentos mais sangrentos da violência depois da desocupação do Talibã. Texto alterado às 12h23.

Mais conteúdo sobre:
talebanAfeganistãoKarzai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.