EFE/EPA/IGOR KOVALENKO
EFE/EPA/IGOR KOVALENKO

Presidente do Casaquistão deve ser reeleito em pleito neste domingo

Eleitores do Casaquistão foram às urnas neste domingo para escolher o presidente do país. O pleito deve reeleger o presidente Nursultan Nazarbayev, que governa a ex-república soviética há mais de 25 anos.

Estadão Conteúdo

26 de abril de 2015 | 14h17

A eleição ocorre em um momento de redução do crescimento econômico e de ansiedade provocada pela instabilidade política em países vizinhos, como Ucrânia e Afeganistão. A vitória do presidente Nazarbayev sobre os dois demais candidatos, um dirigente sindical e um político comunista, é vista como uma formalidade desde que o pleito foi anunciado. A campanha do candidato comunista, Turgun Syzdykov, incluía o apoio a Nazarbayev.

Após depositar seu voto, o presidente Nazarbayev, de 74 anos, afirmou que as eleições antecipadas são uma oportunidade para que os eleitores pudessem votar na continuidade. "Para a estabilidade no governo e para o apoio das políticas que o país implementou sob a minha liderança", disse ele.

Nazarbayev afirmou que, após a sua reeleição, irá buscar a criação de uma comissão de reforma constitucional para impulsionar a economia e promover desenvolvimento político, maior transparência e abertura. Atualmente, o Casaquistão tem uma reputação internacional de corrupção e falta de liberdades política e de imprensa.

Autoridades eleitorais afirmaram que, por volta das 18h (horário local), 90% dos eleitores haviam comparecido às urnas, duas horas antes do encerramento do pleito. Esse alto índice foi registrado apesar de a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa descrever uma "campanha dificilmente visível". O grande comparecimento de eleitores às urnas é comum em Estados autoritários da Ásia Central, como resultado de um hábito dos tempos soviéticos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Casaquistãoeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.