Enrique ALARCON / AFP
Enrique ALARCON / AFP

Presidente do Chile anuncia novo pacote contra o coronavírus e alerta contra populismo

Piñera anuncia US$ 4,5 bilhões em pacotes adicionais de estímulo e diz para as pessoas não se aproveitarem da nova regra que permite sacar os fundos de pensão

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2020 | 20h55

SANTIAGO  - O presidente do Chile, Sebastian Piñera, anunciou US$ 4,5 bilhões em pacotes adicionais de estímulo para ajudar a amenizar os efeitos da pandemia e alertou contra uma tendência ao populismo, enquanto a população chilena se aproveita de uma nova regra que permite sacar os fundos de pensão.

Em discurso aos congressistas, Piñera disse que o investimento público em 2020-2022 chegará a US$ 34 bilhões, dos quais US$ 4,5 bilhões não haviam sido anunciados anteriormente.

O líder de centro-direita alertou contra soluções populistas para os problemas econômicos do Chile, que incluem enormes desigualdades e uma recessão agravada pelo impacto da covid-19.

“O mundo inteiro está sendo ameaçado pelo populismo, que sempre oferece o caminho fácil de direitos sem deveres, de realizações sem esforço”, disse ele, advertindo contra “promessas de soluções fáceis para problemas difíceis”.

Mais de 3 milhões de chilenos pediram na quinta-feira a retirada de parte de seus fundos de pensão depois que entrou em vigor uma lei permitindo que os cidadãos aproveitassem as economias da aposentadoria.

O governo de Piñera se opôs à medida de emergência. Ele também alertou sobre o impacto de longo prazo na lucratividade e nos já baixos pagamentos médios de pensões.

Apesar dos apelos, as pesquisas de opinião indicam que quase nove em cada dez chilenos pensam em tirar proveito das quantias do fundo. A maioria disse que usaria o dinheiro para pagar por bens e serviços básicos.

“O efeito que o coronavírus e a recessão global tiveram sobre nossa economia, e as famílias chilenas, foram devastadores”, afirmou o presidente. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.