Justin Lane/EFE
Justin Lane/EFE

Presidente do Egito diz que guerra na Síria é 'tragédia' da era atual

Mohammed Morsi afirmou, em discurso na ONU, que entidade precisa 'garantir os direitos do povo palestino'

AE, Agência Estado

26 de setembro de 2012 | 16h17

Texto atualizado às 18h58

 

NOVA YORK - O presidente do Egito, Mohammed Morsi, disse nesta quarta-feira, 26, que não descansará enquanto a guerra civil na Síria não chegar a um final. Morsi disse que o conflito na Síria, que segundo a ONU já deixou mais de 25 mil mortos, é a "tragédia" da era atual. Morsi discursou no plenário da 67ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e fez um apelo a todos os países que ajudem o conflito sírio a chegar a um fim.

 

Veja também:

video AO VIVO: Assista às falas de lideranças na ONU

linkPresidente do Iêmen pede mais apoio no combate à Al-Qaeda

linkIrã está sob ameaça militar sionista, diz Ahmadinejad

 

Morsi, um islamita da Irmandade Muçulmana, grupo banido no Egito até a revolução de fevereiro de 2011, abriu o discurso ao lembrar que é o primeiro presidente democraticamente eleito do Egito, que chegou ao poder após uma revolução "grande e pacífica". Ele afirmou que, além da guerra civil na Síria, a primeira questão que a ONU precisa abordar é garantir os direitos do povo palestino.

 

"Os frutos da dignidade e da liberdade não devem ficar distantes do povo palestino", disse, ao acrescentar ser uma "vergonha" o fato de as resoluções da ONU sobre o conflito israelo-palestino não serem implementadas.

 

Filme

 

Morsi também condenou o filme "A onocência dos muçulmanos", feito nos EUA e que é ofensivo à religião islâmica. Ele insistiu que a liberdade de expressão não deve permitir os ataques a qualquer religião. Mas ele também condenou a violência que acompanhou os protestos contra o filme, deixando 51 pessoas mortas desde a noite de 11 de setembro, entre elas pelo menos um manifestante egípcio.

 

As informações são da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.