Amr Abdallah Dalsh/REUTERS
Amr Abdallah Dalsh/REUTERS

Presidente do Egito perdoa prisioneiros políticos

Anistia abrange cidadãos que enfrentam processo e aqueles que cumprem penas de prisão

Reuters

08 de outubro de 2012 | 19h11

CAIRO - O presidente do Egito, Mohamed Morsi, perdoou nesta segunda-feira, 8,  todos os prisioneiros políticos detidos desde o início dos protestos que depuseram Hosni Mubarak no ano passado.

Veja também

linkLíder do Egito pós-Mubarak faz na ONU apelo contra intervenção na Síria

O perdão abrange cidadãos que enfrentam processo e aqueles que cumprem penas de prisão, com exceção daqueles condenados por homicídio, disse o porta-voz presidencial, sem dar um número específico de prisioneiros perdoados.

Ativistas disseram que milhares de civis acabaram em tribunais militares no vácuo de segurança que se seguiu à queda de Mubarak em 2011. O grupo "Sem Julgamentos Militares" afirmou que pelo menos 5.000 prisioneiros políticos ainda estavam na cadeia.

Muitos daqueles presos foram detidos em protestos que surgiram durante os 18 meses que um governo militar interino liderou o Egito sob o comando do marechal Hussein Tantawi. Alguns foram, inclusive, julgados desde que Morsi tomou posse, em junho.

Morsi, da Irmandade Muçulmana, disse no sábado que tinha ficado aquém das metas que prometeu cumprir em seus primeiros 100 dias no cargo.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOMORSIPERDOA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.