EFE/José Jácome
EFE/José Jácome

Presidente do Equador confirma morte de jornalistas na fronteira com a Colômbia

Profissionais foram sequestrados na fronteira enquanto coletavam informações sobre violência gerada pelos grupos armados ilegais da Colômbia

O Estado de S.Paulo

13 Abril 2018 | 16h54

QUITO - O presidente do Equador, Lenín Moreno, confirmou a morte de três funcionários da imprensa do país nesta sexta-feira, 13. Eles foram sequestrados na fronteira com a Colômbia no dia 26 de março por um grupo dissidente das Farc. O líder interrompeu sua participação na Cúpula das Américas, no Peru, e retornou ao país para lidar com o caso. Moreno fez a declaração quando o prazo de 12 horas dado aos sequestradores acabou. O presidente revelou que o governo obteve novas informações que confirmaram a morte dos dois jornalistas e o motorista do jornal El Comercio. Na quinta-feira, 12, redes de TV da colombianas disseram ter obtido fotos que comprovavam a morte dos três profissionais.

+ Dissidência das Farc diz que equipe de imprensa equatoriana alvo de sequestro foi morta

+ Em vídeo, jornalistas equatorianos sequestrados aparecem acorrentados e pedem resgate; veja

A equipe estava na fronteira com a Colômbia para coletar informações sobre a violência gerada pelos grupos armados ilegais do país. Para a analista Grace Jaramillo, da Universidade de Queens em Kinston, no Canadá, o Equador enfrenta a atual situação porque "não articulou um sistema de inteligência focado no crime internacional organizado", mas ressaltou que o país também não estava preparado para a violência na fronteira com a Colômbia. Jaramillo acrescentou que, para lidar com questões de violência e grupos armados irregulares na fronteira, é necessário "um serviço de inteligência extraordinário e compartilhar inteligência com outros países fortes do continente, e o Equador não tem feito isso". / AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.