Presidente do Equador diz que só sai "morto" do cargo

O presidente equatoriano, Lucio Gutiérrez, denunciou a existência de um complô contra ele e advertiu aos seus inimigos que só conseguirão retirá-lo do poder "morto". Em uma entrevista à imprensa, no Palácio do Governo, disse, sem revelar nomes, que a mídia e detratores estão divulgando "calúnias, infâmias, mentiras para desestabilizar a ordem democrática"."Cheguei até aqui e daqui só me tiram morto", afirmou, golpeando várias vezes uma mesa. Disse ainda que prepara um decreto para garantir a liberdade de expressão em todo o país, mas a lei irá também sancionar o "caluniador, mentiroso e infame".Recentemente, Gutiérrez foi ao Congresso para justificar gastos feitos por ele e sua comitiva durante uma viagem à China, que durou 10 dias. Os gastos foram de US$ 3 milhões, mas segundo o presidente, desta soma o governo colombiano só gastou US$ 70 mil. O resto teria sido custeado pelo governo chinês. Em sua comitiva estavam suas duas filhas, seu pai e sua secretária particular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.