Presidente do Equador reúne-se para falar de Assange

O presidente do Equador, Rafael Correa, reuniu-se nesta segunda-feira com as principais autoridades de seu governo para discutir o pedido de asilo feito pelo fundador e editor-chefe do WikiLeaks, Julian Assange.

AE, Agência Estado

25 de junho de 2012 | 19h35

"O pedido de asilo político está sendo examinado juntamente com todas as implicações políticas que poderá trazer, inclusive para Assange", disse o ministro de Relações Exteriores Ricardo Patiño.

Ele declarou que o Equador não estabeleceu uma data para que a decisão seja tomada, afirmando que a definição caberá ao presidente.

Correa, que muitas vezes entra em disputa com Washington, disse que estuda o pedido de Assange e as afirmações do fundador do WikiLeaks de que poderia ser condenado à morte nos Estados Unidos.

Assange entrou na embaixada do Equador em Londres na terça-feira da semana passada e pediu asilo, na esperança de escapar da extradição para a Suécia, onde é suspeito de crimes sexuais. Ele teme que, uma vez em território sueco, possa ser levado para os Estados Unidos.

O WikiLeaks irritou Washington ao publicar milhares de documentos secretos norte-americanos sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão e mais de 250 mil telegramas diplomáticos. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EquadorAssangeasilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.