Divulgação
Divulgação

Presidente do Haiti pede que países não briguem sobre ajuda

Brasil e França reclamam de controle americano sobre aeroporto de Porto Príncipe após terremoto de terça

AE-AP, Agencia Estado

16 de janeiro de 2010 | 14h19

O presidente do Haiti, René Préval, pediu neste sábado que os doadores internacionais coordenem melhor os esforços para ajudar o país, após o violento terremoto de terça-feira. Préval solicitou também que as outras nações não briguem entre si durante a ajuda internacional.  

 

Reação internacional   

linkBrasil  já estuda reforço das tropas no Haiti

link Obama anuncia fundo coordenado por Bush e Clinton

linkPara analistas, Obama tenta superar lições do Katrina

"Essa é uma situação extremamente difícil, portanto devemos nos manter tranquilos para a coordenação e não acusarmos um ao outro", disse Préval a repórteres, após reunir-se com o embaixador norte-americano e outras autoridades. O líder haitiano não citou nenhum país especificamente.

O aeroporto local está sob controle de autoridades norte-americanas. Na capital haitiana, aumentavam os sinais de tensão no aeroporto internacional, em parte pela dificuldade de doações e equipes chegarem ao país.

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

O ministro de Cooperação da França, Alain Joyandet, disse anteriormente que havia entregado uma queixa oficial ao embaixador dos EUA, após oficiais norte-americanos não permitirem o pouso de dois aviões franceses. Um dos aviões levava um hospital de campanha e o outro deveria retirar cidadãos franceses do país.

Ontem, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, telefonou para a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton. Amorim disse que havia "problemas na sequência dos aviões" que aterrissavam em Porto Príncipe. Segundo o ministro brasileiro, Hillary teve reação "muito positiva" ao problema, notando que reforçaria as orientações aos funcionários norte-americanos no Haiti.

O embaixador norte-americano Kenneth Merten insistiu que os EUA estavam no país para ajudar. "Não estamos de maneira alguma tomando o controle" do país, afirmou Merten, após a reunião com Préval.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.