Ahmed Jadallah/Reuters/Arquivo
Ahmed Jadallah/Reuters/Arquivo

Presidente do Iêmen assina acordo para transferir poder

Rei saudita comemorou acordo como um 'marco na história do país'; não está certo se Saleh sairá de fato

AE, Agência Estado

23 de novembro de 2011 | 14h40

Atualizado às 17h13

 

RIAD - O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, assinou nesta quarta-feira, 23, na capital da Arábia Saudita, Riad, um acordo para transferir o poder, após 33 anos no cargo. O rei saudita, Abdullah, comemorou o acordo como um marco que virou uma "nova página" na história do empobrecido país no sul da Península Arábica, informa a Agência France Presse (AFP). Não está certo, contudo, se Saleh deixará de fato o poder, uma vez que ele voltou atrás algumas vezes em tentativas recentes de retirá-lo do cargo.

 

Veja também:

especialINFOGRÁFICO: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

Em uma cerimônia transmitida ao vivo pela televisão estatal saudita, Saleh aparece assinando o acordo patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pelos países do Golfo Pérsico no palácio real de Al-Yamana. Saleh assinou o documento observado pelo rei da Arábia Saudita e por vários políticos da oposição iemenita, bem como ministros dos países árabes do Golfo Pérsico.

Representantes do partido governista do Iêmen e da oposição também assinaram o documento, que deverá acabar com 10 meses de violência política no país. Centenas de manifestantes foram mortos pelo governo em sangrentas lutas tribais.

Poder por imunidade

 

Sob o acordo, o qual Saleh se recusou a assinar durante meses em desafio a pressões internas e internacionais, o mandatário passa os poderes ao vice-presidente Abdrabuh Mansur Hadi, em troca da imunidade para si próprio e sua família. Saleh ainda permanecerá como "presidente honorário" por 90 dias, ao fim dos quais a transferência de poderes estará completa. "Hoje uma nova página na história de vocês teve início" disse o monarca da Arábia Saudita à delegação dos iemenitas que assinaram o acordo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.