Jason Szenes/Efe
Jason Szenes/Efe

Presidente do Iêmen pede mais apoio no combate à Al-Qaeda

Apelo foi feito em discurso à Assembleia-Geral da ONU; em outra fala, Hadi ofereceu diálogo aos militantes

26 de setembro de 2012 | 13h48

Texto atualizado às 18h47

 

NAÇÕES UNIDAS - O presidente do Iêmen, Abd-Rabbu Mansour Hadi, pediu nesta quarta-feira, 26, uma ação mais prática da comunidade internacional para auxiliar as forças de segurança do seu país a combater a Al-Qaeda. A Al-Qaeda na Península Árabe está sediada no Iêmen e montou operações na vizinha Arábia Saudita, bem como tenta lançar ataques contra os Estados Unidos.

 

Veja também:

video AO VIVO: Assista às falas de lideranças na ONU

linkMorsi diz na ONU que guerra na Síria é 'tragédia' da era atual

linkIrã está sob ameaça militar sionista, diz Ahmadinejad

"Nós convidamos os nossos parceiros internacionais no combate ao terrorismo a fornecer mais apoio logístico e técnico para as forças de segurança e unidades contra-terrorismo e expandir a cooperação de inteligência", afirmou Abd-Rabbu Mansour Hadi em um discurso à Assembleia-Geral da ONU.

 

Restaurar a estabilidade do Iêmen se tornou uma prioridade internacional, diante dos temores de que combatentes islâmicos poderiam esconder-se no país e ameaçar o maior exportador mundial de petróleo, a Arábia Saudita, e importantes rotas marítimas do mundo.

 

Os EUA, que temem a disseminação da militância islâmica no Iêmen, intensificaram os ataques com aeronaves teleguiadas no país este ano. Hadi reafirmou o compromisso do Iêmen na luta contra os militantes e disse que o apoio interno e externo à Al-Qaeda deve parar.

 

Diálogo

 

Em um discurso paralelo transmitido pela televisão do Iêmen hoje, para marcar o 50º aniversário da fundação da república iemenita, Hadi ofereceu diálogo aos militantes islâmicos, incluindo a Al-Qaeda. No entanto, ele disse que eles devem concordar primeiro em baixar as armas e rejeitar apoio do exterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.