Presidente do Irã desafia resolução de sanções da ONU

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse no domingo que as resoluções do Conselho de Segurança da ONU contra Teerã não vão afetar a política nuclear do país mesmo se outras dez forem aprovadas. O conselho aprovou uma resolução com sanções no dia 23 de dezembro, pedindo a suspensão do programa nuclear do Irã, que o Ocidente teme ser destinado a produzir armas atômicas. O Irã nega. "A resolução (da ONU) nasceu morta e mesmo se emitirem mais dez dessas resoluções não haverá efeito na economia e nas políticas do Irã", afirmou Ahmadinejad em discurso no Parlamento transmitido ao vivo pela televisão estatal. O presidente enfrenta crescente crítica no Irã desde que a resolução foi aprovada e depois que seus aliados foram derrotados nas eleições locais de dezembro. Críticos dizem que seus discursos antiocidentais provocaram aumento da tensão com o Ocidente. Mas até agora Ahmadinejad deu poucos sinais de moderação do tom no tema nuclear. A palavra final sobre o tema e outros assuntos de Estado cabe ao líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei. "Eles querem dizer, através de uma guerra psicológica, que a resolução foi muito efetiva... Falsamente, eles querem dizer que o Irã pagou um preço", disse o presidente. "Nos tornamos um país nuclear hoje sem prometer nada às grandes potências e essa grande vitória pertence ao povo e ao Parlamento." Apesar de a resolução da ONU apontar para aspectos sensíveis do programa nuclear do Irã, empresários dizem que investidores estão com medo de uma escalada da tensão e os investimentos, que já eram escassos, vêm diminuindo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.