Presidente do Irã fortalece laços com a Venezuela

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou nesta segunda-feira que o Irã e a Venezuela "estarão juntos até o final" em todos os cenários geopolíticos, independentemente das dificuldades que se apresentarem pelo caminho. "O Irã e a Venezuela, um ao lado do outro, estarão juntos até o final. É possível que tenhamos alguns problemas (...) mas a vontade revolucionária de nossos povos vencerá qualquer problema", afirmou Ahmadinejad durante uma cerimônia de inauguração de um campo de exploração de petróleo, na margem leste do Rio Orinoco, do qual participarão empresas de ambos os países. Irã e Venezuela são grandes produtores e exportadores de petróleo.O presidente venezuelano Hugo Chávez, conhecido opositor do governo dos Estados Unidos, expressou seu apoio aberto ao programa nuclear desenvolvido pelo Irã. Os EUA, por sua parte, acusam Teerã de estar desenvolvendo armas atômicas.Ahmadinejad afirmou que "Venezuela e Irã demonstraram que juntos, fora do alcance da hegemonia e do imperialismo norte-americanos, podemos trabalhar e progredir".União de estataisA empresa estatal Petróleos de Venezuela S.A. (PDVSA) e a iraniana Petropars uniram-se numa sociedade para desenvolver o bloco Ayacucho 7, no Estado de Anzoátegui. Na mesma parte do Orinoco, a PDVSA opera também em sociedade com outras oito empresas estrangeiras, incluindo a brasileira Petrobrás.Acordos com IrãAhmadinejad iniciou no domingo uma visita de cerca de 30 horas à Venezuela para estreitar laços com seu aliado sul-americano. Durante a estadia do mandatário persa, funcionários de ambos os países assinaram cerca de 34 acordos em diversas áreas, entre os quais o que inclui um fundo binacional de US$ 2 bilhões para o financiamento de projetos industriais. Os acordos também incluem a formação de uma companhia conjunta para a exploração de petróleo e de fábrica de automóveis na Venezuela, para vender carros a países emergentes. Segundo a BBC Brasil, Chávez disse que a visita vai fortalecer a aliança entre os dois países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.