Iranian Presidency Office / AP
Iranian Presidency Office / AP

Presidente do Irã irá à Europa discutir acordo nuclear

Hassan Rohani visitará Suíça e Áustria, que assume a presidência semestral da União Europeia, para discutir tratado após saída dos Estados Unidos

O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2018 | 08h51

VIENA - O presidente do Irã, Hassan Rohani, visitará a Europa no mês que vem para discutir o acordo nuclear envolvendo o país e membros da União Europeia. O líder islâmico irá à Suíça e à Áustria para se reunir com o presidente suíço, Alain Berset, e o chanceler austríaco Sebastian Kurz. 

+ EUA querem negociar novo acordo nuclear com europeus

De acordo com o governo suíço, Rohani e o ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, se encontrarão com Berset nos dias 2 e 3 de julho. "As discussões focarão nos recentes desenvolvimentos no acordo nuclear iraniano", informou o governo da Suíça. "O objetivo é encontrar medidas para preservar o progresso feito com o acordo e garantir a não-proliferação de armas nucleares na região, apesar da decisão americana de se retirar do tratado."

Apesar de não ser integrante da União Europeia, a Suíça atua como mediadora entre os interesses do Irã e da Arábia Saudita no acordo.

 

+ Irã deixará acordo nuclear se não houver ‘garantias reais’ dos países europeus, diz Khamenei

No dia seguinte, 4 de julho, Rohani irá à Áustria para discutir o tratado com o chanceler Sebastian Kurz. A visita é considerada "um dos esforços da União Europeia para salvaguardar o acordo com Irã", informaram fontes ligadas ao governo austríaca à imprensa local. No próximo mês, a Áustria assume a presidência semestral do bloco europeu.

+ Irã ameaça enriquecer urânio 'como nunca' se negociações para manter acordo falharem

Assinado em 2015, o acordo envolve o Irã, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha. Neste ano, os Estados Unidos, principal signatário do tratado, deixou o acordo após o presidente americano Donald Trump exigir que os termos fossem revistos. O tratado estabelece limitações de 15 a 25 anos para o desenvolvimento do programa atômico iraniano em troca da suspensão de sanções internacionais contra o país islâmico.  //REUTERS, EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.