Presidente do Irã libera uso do Whatsapp

Rohani é um ativo usuário das redes sociais

O Estado de S.Paulo

07 Maio 2014 | 02h07

Após membros da linha dura defenderem a censura, o presidente iraniano, Hassan Rohani, evitou que o aplicativo de troca de mensagens WhatsApp fosse bloqueado no país. A decisão de Rohani foi anunciada ontem durante reunião do Conselho Supremo do Ciberespaço, que tem a palavra final sobre quais sites são controlados no Irã. O órgão é presidido por Rohani.

"Depois do anúncio do Grupo de Trabalho de Determinação do Conteúdo Criminal On-line de que o aplicativo seria bloqueado, o presidente ordenou que o filtro do WhatsApp seja suspenso", afirmou o ministro da Comunicação e Tecnologia da Informação, Mahmoud Vaezi, segundo a agência Mehr.

Vaezi também disse que o governo considera que não é necessário bloquear redes sociais que não causem problemas ou que não tenham uma opção local no Irã.

Oficialmente, o grupo de trabalho disse que o aplicativo seria banido em razão de sua conexão com o Facebook, proibido no país desde 2009, quando foi usado juntamente com o Twitter, também banido, para organizar protestos contra o então presidente, Mahmoud Ahmadinejad.

Vários sites e jornais, entre eles o israelense Haaretz, afirmaram que a proibição seria motivada não apenas pelo fato de o Facebook ter comprado o WhatsApp, em fevereiro, mas também pela origem do fundador e principal acionista da rede social, Mark Zuckerberg, que é judeu.

No domingo, Rohani retuitou uma mensagem na qual afirmou que seu governo "opunha-se completamente ao bloqueio do WhatsApp". Em seguida, o presidente escreveu que "seus esforços têm como objetivo garantir que toda a população iraniana tenha acesso global a todo tipo de informação".

O Irã bloqueia dezenas de aplicativos e aproximadamente 5 milhões de páginas da internet, que são acessíveis apenas com o uso de programas antifiltros, VPN ou navegadores que alteram o IP do usuário.

Membros do governo, incluindo o presidente Rohani, o ministro das Relações Exteriores, Mohamed Javad Zarif, e o ministro da Cultura, Ali Yanati, são usuários ativos de redes sociais como o Facebook e o Twitter. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.