Presidente do Iraque é internado após sofrer AVC

Afastamento de Talabani, de 79 anos, visto como um conciliador, aumenta as incertezas sobre o futuro político do Iraque

BAGDÁ, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2012 | 02h03

O presidente do Iraque, Jalal Talabani, de 79 anos, foi internado às pressas em um hospital de Bagdá após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC), aumentando as incertezas sobre o futuro político do país, um ano após a retirada das tropas americanas.

Segundo fontes do governo iraquiano, o estado de saúde do presidente é "crítico, mas estável". Em comunicado, o gabinete da presidência informou inicialmente que Talabani tinha sido hospitalizado na noite de segunda-feira com sinais de fadiga. Um anúncio posterior informou que exames médicos mostraram o endurecimento das artérias, o que aumenta o risco de AVC.

"O presidente foi para o hospital tarde da noite após sofrer um acidente cerebrovascular", assegurou à Reuters um funcionário de alto escalão do governo.

A repórteres, o porta-voz de Talabani, Nasser al-Ani, disse apenas que o estado de saúde do presidente é estável. Talabani está acima do peso e passou por uma série de tratamentos médicos no exterior nos últimos anos. Em 2008, foi submetido a uma cirurgia cardíaca.

O primeiro-ministro Nuri al-Maliki e outras autoridades visitaram Talabani no hospital ontem. Ele está sendo tratado no maior complexo hospitalar de Bagdá, cercado por soldados desde sua internação. A imprensa local chegou a informar que Talabani tinha morrido, mas o ministro das Relações Exteriores, Hoshyar Zebari, desmentiu a informação.

Equipes médicas da Alemanha e Grã-Bretanha eram esperadas ontem para avaliar a gravidade do estado de saúde do presidente e a possibilidade de ele ser transferido para o exterior.

Segundo a Constituição iraquiana, em caso de morte o Parlamento deve eleger novo presidente curdo, uma vez que o dois cargos de vice-presidente são ocupados por muçulmanos, um sunita e um xiita.

Embora seu poder seja limitado no complexo sistema político iraquiano, Talabani é visto por muitos iraquianos como um conciliador em um país dividido por conflitos étnicos e sectários. De espírito brincalhão e exibindo um generoso bigode, Talabani envolveu-se ativamente na mediação de uma crise entre o governo central e o presidente da região semiautônoma do Curdistão, Masoud Barzani, em uma disputa por direitos sobre o petróleo do país. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.