EFE/Presidencia de Mexico
EFE/Presidencia de Mexico

Presidente do México quer dialogar com equipes de Trump e Hillary

Chanceler mexicana disse que assim que as convenções republicana e democrata forem concluídas, governo de Enrique Peña Nieto tentará ‘estabelecer uma comunicação institucional’ com os candidatos

O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2016 | 10h37

CIDADE DO MÉXICO - Após criticar Donald Trump por querer que os mexicanos paguem por um muro na fronteira com os Estados Unidos, o governo de Enrique Peña Nieto anunciou que buscará o diálogo com a equipe do republicano e a da democrata Hillary Clinton, assim que suas candidaturas forem oficializadas.

"Uma vez concluída a convenção republicana e, em seu tempo, na semana que entra, a democrata, buscaremos estabelecer uma comunicação institucional com ambas as equipes de campanha", declarou a ministra mexicana das Relações Exteriores, Claudia Ruiz Massieu.

A Convenção Nacional Republicana terminou na quinta-feira, após formalizar a candidatura de Trump. Os democratas se reunirão na próxima semana, de 25 a 28 de julho, para confirmar a ex-secretária de Estado como candidata para a eleição de 8 de novembro.

Ao ser questionada sobre a postura do governo frente à plataforma eleitoral do Partido Republicano de Trump - que defende a construção de um muro na fronteira entre México e Estados Unidos para conter a imigração ilegal -, a chanceler disse que não se pronunciaria sobre as propostas específicas de ambos os partidos.

Ela afirmou ainda que a embaixada do México em Washington e a rede consular no país estão reforçando o diálogo nos níveis local e federal, tanto com os governos, quanto com os congressistas americanos.

"Continuaremos trabalhando com o governo dos Estados Unidos que for eleito em novembro para rever as ações que devemos instrumentalizar de maneira conjunta para tornar a fronteira mais eficiente, ordenada e segura", disse Claudia Ruiz.

Em março, o governo do México já havia declarado que conversaria com os ganhadores de ambos os partidos para discutir as virtudes das relações bilaterais e confrontar com dados "a desinformação" propagada durante a campanha. No mesmo mês, Peña Nieto comparou o discurso de Trump com os de Adolf Hitler e Benito Mussolini.

Há mais de dez dias, o presidente mexicano disse em uma entrevista à rede CNN que não existe qualquer possibilidade de que seu país pague um muro como esse, mas que a decisão de construí-lo "cabe ao governo dos Estados Unidos".

Peña Nieto viaja nesta sexta-feira, 22, para os Estados Unidos, onde se reunirá com o presidente americano Barack Obama. Entre os temas da agenda bilateral que serão tratados na Casa Branca, estão segurança, imigração, economia e comércio. / EFE

Veja abaixo: Donald Trump é queimado como Judas pelos mexicanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.