Guadalupe Pardo/Reuters
Guadalupe Pardo/Reuters

Presidente do Peru enfrentará novo processo de impeachment por ligação com Odebrecht

Com 87 votos favoráveis - mesma quantidade necessária para afastá-lo do cargo -, Congresso aprovou moção que permitirá votação, na próxima quinta-feira, da destituição de Pedro Pablo Kuczynski; presidente poderá se defender antes de decisão

O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 15h03

LIMA - O Congresso do Peru iniciou nesta quinta-feira mais um processo de impeachment contra o presidente Pedro Pablo Kuczynski, acusado de ter sido beneficiado pela construtora brasileira Odebrecht em duas ocasiões.  O futuro de PPK será decidido no dia 22, quando os congressistas decidirão sobre seu afastamento. Se a moção for aprovada, o país poderá ser representado por um novo líder na Cúpula das Américas, que será realizada em Lima, em abril.

Kuczynski será interrogado por promotor que investiga denúncias contra Toledo

O novo processo de impeachment alega “incapacidade moral” por parte do presidente. Ele foi aprovado com 87 votos, o mesmo número necessário para sua destituição – 15 deputados votaram contra e outros 15 se abstiveram. Para o trâmite ser admitido pelo Congresso peruano, bastariam 51 votos.

Kuczynski enfrentou um processo similar em 21 de dezembro, após ser acusado de ter mentido sobre uma consultoria de US$ 782 mil feita à Odebrecht quando ele era ministro da Economia do ex-presidente Alejandro Toledo, entre 2004 e 2006. Antes da revelação do negócio que manteve com a empreiteira brasileira, feita pela comissão parlamentar que acompanha os desdobramentos da Operação Lava Jato, PPK negava ter tido qualquer envolvimento com o caso.

Na ocasião, faltaram oito votos para destituir Kuczynski. A abstenção de dez deputados do partido fujimorista  Força Popular, todos ligados ao filho mais novo do ex-ditador, Kenji Fujimori, foi determinante para a moção não ser aprovada. 

Maioria dos peruanos quer impeachment de presidente por elo com Odebrecht

Dois dias depois da votação, na véspera de Natal, Alberto Fujimori, que cumpria 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade e corrupção, recebeu o perdão presidencial. Kenji teria negociado o indulto do pai em troca do rompimento com sua bancada, liderada por sua irmã, Keiko, que votou a favor do impeachment.

A situação de PPK voltou a se agravar no dia 28 de fevereiro, quando Jorge Barata, ex-executivo da Odebrecht no Peru, declarou à Procuradoria-Geral da República, em São Paulo, que a empreiteira financiou, por meio de caixa dois, cinco políticos peruanos, entre eles o atual presidente. 

A campanha de Kuczynski pela presidência em 2011 – eleição na qual ele foi derrotado por Ollanta Humala – teria recebido US$ 300 mil da Odebrecht. PPK nega qualquer irregularidade. “Não tenho nada o que esconder e estou disposto a depor com total transparência às instâncias correspondentes”, tuitou Kuczynski ontem, após prestar depoimento ao procurador que investiga o escândalo da Odebrecht no Peru. 

Oposição peruana apresenta novo pedido para destituir presidente por laços com Odebrecht

O presidente, que terá a oportunidade de se defender no Congresso antes da votação do impeachment, não comentou o novo pedido de afastamento. O cientista político peruano Francisco Belaúnde explicou que, na primeira votação de impeachment, a esquerda estava fragmentada no Congresso: a Frente Ampla era a favor do impedimento, mas o partido Novo Peru, era contra. 

Cada legenda detém dez assentos no Parlamento. Com o indulto de Fujimori, porém, o Novo Peru rompeu com o presidente. A atual moção foi apresentada conjuntamente pelos dois partidos de esquerda. “Kuczynski não tem muito o que negociar, desta vez”, disse ao Estado.

Analistas afirmam que PPK, um político conservador, de 79 anos, buscará cooptar mais votos a seu favor na bancada fujimorista. “Foi obtido o número exato (de votos) necessário para destituí-lo. É um número que pode subir ou se reduzir, o que pode indicar que haverá uma guerra até a morte entre ambos os lados”, disse à agência France Presse o analista político Luis Benavente. “Kuczynski tem uma margem de jogo com Kenji e Alberto Fujimori.”

Pesquisa do instituto Ipsos, publicada no domingo, revelou que 58% dos peruanos são favoráveis à destituição de PPK, enquanto 37% dizem que o presidente deveria continuar no cargo até o fim de seu mandato, em 2021. / AFP, COM GUILHERME RUSSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.