Presidency of Peru via EFE/EPA
Presidency of Peru via EFE/EPA

Presidente do Peru pediu que assessores mentissem em inquérito, mostram gravações

Divulgação de áudios coloca Martín Vizcarra em grave crise política que pode causar sua destituição

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 21h03

LIMA - O presidente do PeruMartín Vizcarrapediu que assessores mentissem em um inquérito parlamentar sobre sua relação com um ex-colaborador investigado por contratos irregulares, mostraram áudios divulgados no Congresso peruano nesta quinta-feira, 10. A divulgação das conversas coloca o presidente em uma grave crise política que pode causar sua destituição.

"Primeiro você tem que ver o que é, e depois o que vai ser dito", diz Vizcarra a dois de seus colaboradores, pedindo que eles mintam sobre a quantidade de vezes que o ex-colaborador foi ao Palácio do Governo.

Os assessores que participam do diálogo são Miriam Morales e Karem Roca, que mencionam a Vizcarra até cinco visitas do polêmico ex-assessor Richard Cisneros. "É preciso dizer que ele entrou duas vezes", pede Vizcarra. "O que fica claro é que nessa investigação todos estamos envolvidos", acrescenta o presidente.

Os áudios vêm a público em meio a confrontos constantes entre Legislativo e Executivo pela aprovação de uma reforma política promovida pelo governo. A mudança deixaria candidatos condenados pela Justiça fora das eleições.

As gravações de Vizcarra foram entregues pelo deputado Edgar Alarcón, presidente da comissão que investiga o caso do ex-assessor. "Pode ver que há uma falha moral, o presidente não pode mentir", disse Alarcón, do partido de centro-esquerda Union Por el Peru, a jornalistas.

"Há rumores de que a cadeira ficará vaga", disse o deputado Moisés Gonzáles, da populista Aliança para o Progresso (APP). "É claro que o presidente Vizcarra mentiu para o país", disse o deputado Omar Chehade, também da APP.

Richard Cisneros é um cantor contratado pelo governo como orador e apresentador. 

O caso explodiu em maio, quando a imprensa descobriu que o Ministério da Cultura havia oferecido contratos supostamente irregulares de US$ 10 mil a Cisneros, um artista pouco conhecido na mídia local, em meio à pandemia do coronavírus.

"Os áudios afetam a credibilidade e a legitimidade de Martín Vizcarra", garantiu o analista Iván García ao canal de televisão N. A crise irrompe enquanto o Peru é um dos países mais afetados pela pandemia de covid-19 no mundo, com mais de 700 mil infecções e 30 mil mortes. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.