Presidente do Peru se nega a dialogar com os cocaleiros

O presidente do Peru, Alan García, afirmou nesta terça-feira, 17, que seu governo não tem "nada para dialogar" com os camponeses cultivadores de folha de coca que iniciaram uma greve por tempo indefinido no departamento de Huánuco.García descartou, em declarações à agência de notícias oficial Andina, a formação de uma Comissão de Alto Nível para tentar negociar com os manifestantes. Eles exigem a suspensão da erradicação forçada da folha de coca."Não há nada para dialogar. Precisamos é incentivar uma boa agricultura e erradicar o que a má", comentou o governante.García afirmou que está "absolutamente convencido" de que a greve é promovida pelos narcotraficantes, que acusou de querer "agitar e mobilizar um grupo de camponeses".O presidente disse ainda que a greve teve "pouca adesão" e existe uma relativa tranqüilidade em regiões que "em sua maioria não dependem do cultivo da folha de coca".Os grevistas bloquearam uma importante via que conecta várias cidades da região da floresta. Além disso, em Aucayacu, mais de mil pessoas se manifestaram pacificamente em protesto contra a política de erradicação do governo.Segundo números oficiais, cerca de 60 mil famílias peruanas produzem folha de coca, base da cocaína, em 14 vales agrícolas no centro e sul do Peru, recebendo um pagamento mínimo dos narcotraficantes.O Peru é, depois da Colômbia, o segundo produtor mundial de folha de coca e cocaína no mundo, segundo o Relatório Mundial das Drogas 2006 do Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.