Presidente do Peru sobe o tom das advertências à Venezuela

O presidente do Peru, Alejandro Toledo, subiu o tom de suas advertências à Venezuela ao anunciar que vai pedir a retirada do embaixador venezuelano em Lima se a "intromissão" de Hugo Chávez continuar.Além disso, declarou a emissoras peruanas que seu Governo "já tomou a decisão de levar o caso à Organização dos Estados Americanos (OEA)". A crise entre os dois países piorou no sábado, quando Toledo ordenou o retorno de seu embaixador em Caracas em protesto contra a ingerência de Chávez nos assuntos internos peruanos.O Governo venezuelano respondeu que não tem a intenção de retirar seu representante diplomático. A decisão do Governo do Peru foi uma reação a declarações do presidente venezuelano. No meio de uma troca de insultos com o candidato presidencial peruano Alan García, Cháves disse, em Cuba, que ele e o presidente Toledo eram "farinha do mesmo saco".García, que governou o Peru entre 1985 e 1990, havia chamado Chávez de "sem-vergonha" por criticar os tratados de livre-comércio que o Peru e a Colômbia negociaram com os Estados Unidos. García acusou hoje o seu rival no segundo turno das eleições presidenciais, o nacionalista Ollanta Humala, de ser financiado por Chávez. Ele acrescentou que vai ser eleito no dia 28 de maio, apesar da "intromissão" do presidente venezuelano na campanha.O candidato disse à Rádio Programas del Perú que Humala "tem um contrato com Chávez" e pediu ao Governo que "investigue quantos funcionários venezuelanos entraram no Peru nos últimos tempos". No entanto, negou que, se eleito, vá declarar uma "guerra diplomática à Venezuela ou aos venezuelanos".O candidato nacionalista Ollanta Humala preferiu não entrar na polêmica e se limitou a lamentar a troca de insultos. A conservadora Lourdes Flores, por sua vez, disse hoje que Chávez procura criar um eixo com governantes de países que se encontram em problemas. Ela deu como exemplo o boliviano Evo Morales e a possibilidade de que Daniel Ortega retorne ao Governo nicaragüense.Flores, que não aceitou a derrota no primeiro turno, elogiou a decisão do Governo peruano de retirar seu embaixador em Caracas. O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, anunciou hoje a sua "séria preocupação" com o aumento da tensão nas relações entre vários países-membros do organismo, sem citar quais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.