Presidente do Quênia oferece conversas com rivais

Diálogo acontece uma vez que a 'nação esteja calma' e as 'temperaturas políticas baixas'

REUTERS

03 de janeiro de 2008 | 13h46

O presidente do Quênia, Mwai Kibaki, pediu calma e propôs uma conversa com rivais nesta quinta-feira, 3, após outro dia de confrontos entre a polícia e manifestantes que contestam sua reeleição.     Veja também: Entenda a crise no Quênia  Procurador Geral pede recontagem dos votos Polícia dispersa à força protesto da oposição Oposição no Quênia convoca nova marcha  Violência no Quênia põe economia em risco   "Estou pronto para dialogar com as partes preocupadas, uma vez que a nação esteja calma e as temperaturas políticas estejam baixas o suficiente para um engajamento construtivo e produtivo", disse Kibaki aos repórteres.   "Estou profundamente incomodado com a violência incitada por alguns líderes", conitnuou o presidente do Quênia.   A União Européia e os Estados Unidos encorajaram Kibaki e o líder oposicionista, Raila Odinga, a estabelecerem um governo unido.   A crise   A divulgação do resultado das eleições presidenciais do Quênia, que reelegeu Kibaki, realizadas na última quinta-feira, 27, provocou protestos da oposição e mergulhou o país na pior onda de violência dos últimos anos. Os tumultos já custaram pelo menos 300 vidas e ameaçam destruir a reputação do Quênia com uma das democracias mais promissoras da África, uma das mais fortes economias e destino favorito de turistas.    

Tudo o que sabemos sobre:
QUENIAPRESIDENTECONVERSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.