Francois Lenoir/Reuters
Francois Lenoir/Reuters

Presidente egípcio condena ataques a embaixadas dos EUA

Em conversa com Obama, Mursi fala em medidas legais contra 'aqueles que querem prejudicar as relações entre os povos'

Reuters

13 de setembro de 2012 | 09h10

CAIRO -O presidente do Egito, Mohamed Mursi, disse nesta quinta-feira, 11, que apoiava protestos pacíficos, mas não os ataques a embaixadas, depois que egípcios furiosos com um filme considerado um insulto ao profeta Maomé invadirem a embaixada dos EUA no Cairo e destruírem a bandeira norte-americana.

"Expressar a opinião, ter liberdade para protestar e anunciar posições é garantido, mas sem atacar propriedades privadas ou públicas, missões diplomáticas ou embaixadas", disse Mursi, um político islamista que é o primeiro presidente livremente eleito do Egito.

 

Veja também:

linkEmbaixador dos EUA morre em ataque ao consulado na Líbia

 videoVÍDEO: Consulado americano fica em chamas após ataque que matou embaixador

Ele se comprometeu a proteger os estrangeiros no país.

O incidente vai testar a forma como Mursi lida com os laços com os Estados Unidos --um estreito aliado do Egito sob o governo do presidente deposto, Hosni Mubarak.

 

Ele tem sido cauteloso com os islamistas e também com o governo dos EUA, que é um grande doador de ajuda ao Cairo. Mubarak foi derrubado em uma onda de protestos populares.

O embaixador dos EUA na Líbia e outros três funcionários foram mortos quando o consulado norte-americano em Benghazi foi atacado durante a noite de terça-feira.

Manifestantes nesta quinta-feira, 13,  invadiram a embaixada dos EUA no Iêmen. No Cairo, polícia e manifestantes entraram em confronto perto da embaixada dos EUA no centro da cidade, enquanto o discurso gravado de Mursi era televisionado. Os jovens atiraram pedras contra um cordão policial que estava bloqueando a estrada que leva à embaixada. A polícia lançou gás lacrimogêneo.

Mursi afirmou que tinha conversado com o presidente dos EUA, Barack Obama, nesta quinta-feira. "Afirmei a ele a necessidade de medidas legais de dissuasão contra aqueles que querem prejudicar as relações entre os povos, e especialmente entre o povo do Egito e o povo dos EUA", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOMURSICONDENAATAQUES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.