Reuters
Reuters

Presidente egípcio prevê nova eleição parlamentar em outubro, diz agência

Decisão de Morsi adia a turbulenta transição política no país por pelo menos mais seis meses

Reuters

27 de março de 2013 | 09h32

CAIRO - O Egito pode realizar eleições parlamentares em outubro, disse o presidente Mohamed Morsi, informou nesta quarta-feira, 27, a agência de notícias Mena, adiando a turbulenta transição política no país por pelo menos mais seis meses.

O plano original de Morsi era realizar uma eleição em quatro etapas, que começaria no final de abril e culminaria com a posse do Parlamento até julho, mas o cronograma foi virado de cabeça para baixo depois que um tribunal anulou um decreto presidencial e estabeleceu um novo cronograma.

Morsi disse que a aprovação de uma nova legislação eleitoral pode levar dois meses e meio. A preparação para as eleições levaria mais dois. "Talvez as eleições sejam realizadas em outubro próximo", disse o presidente, segundo a Mena.

O atraso poderia dar ao governo uma margem política para negociar um acordo com o Fundo Monetário Internacional para um empréstimo de US$ 4,8 bilhões, visto como essencial para aliviar a profunda crise econômica do Egito. O acordo implica em impopulares medidas de austeridade.

Também pode dar tempo a Morsi para convencer a oposição a participar das eleições. Os partidos com mentalidade secular haviam planejado um boicote, afirmando que a lei eleitoral existente foi esboçada por islamistas.

Em discurso para a comunidade egípcia de Doha, no Catar, o presidente disse que esperava que uma nova Câmara dos Deputados do Parlamento fosse convocada antes do final do ano, informou a Mena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.