ALEJANDRO PAGNI / AFP
ALEJANDRO PAGNI / AFP

Presidente eleito da Argentina celebra decisão do Supremo que favorece Lula 

Em sua conta pessoal no Twitter, Alberto Fernández comemora como uma vitória e escreve a hashtag "LulaLivreAmanhã" 

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2019 | 23h08

BUENOS AIRES - O presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, festejou pelo Twitter a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF)  que derrubou a prisão em segunda instância e pode beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em sua conta pessoal rede social, o político comemorou como uma vitória e escreveu a hashtag "LulaLivreAmanhã". 

"O Supremo Tribunal Federal do Brasil decidiu que as condenações à prisão somente são executáveis uma vez que os recursos tenham se esgotados. É a mesma coisa que nós temos reclamado na Argentina há alguns anos. Valeu a pena a demanda de muitos! #LulaLivreAmanhã!", escreveu.

Peronista moderado e pragmático, Fernández foi a surpresa da eleição na Argentina, despontando como favorito em agosto, ao obter 48% dos votos nas primárias, impulsionado por uma oposição peronista unificada e pela ex-presidente e companheira de chapa, Cristina Kirchner. Eles venceram a eleição e no dia da vitória, Fernández gritou "Lula Livre" para seus eleitores.

Depois de eleito presidente, ele voltou a pedir a libertação de Lula e foi criticado pelo atual presidente Jair Bolsonaro, que ficou indignado com a atitude do argentino. "Não tenho bola de cristal, mas acho que a Argentina escolheu mal. O primeiro ato de Fernández foi 'Lula Livre', dizendo que está preso injustamente. Já disse a que veio", disse Bolsonaro na época.

Ainda ontem, a Comissão de Relações Exteriores da Câmara aprovou uma moção de repúdio Fernández por defender a liberdade de Lula. O colegiado é presidido pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que divulgou em seu Twitter a justificativa do pedido contra o argentino.

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.