Presidente eleito do Equador quer prisão perpétua para corruptos

O presidente eleito do Equador, Lucio Gutiérrez, anunciou nesta quarta-feira severas penas contra os corruptos no país, incluindo a prisão perpétua. "Para quem rouba dinheiro do Estado, prisão perpétua. É muito mais contundente", disse ele durante entrevista na televisão. "A corrupção é tão complicada, é tão difícil, que é preciso combatê-la assim, com todas as forças." Sua proposta obrigaria a uma reforma no Código Penal, já que a legislação atual não contempla a prisão perpétua. A pena máxima para qualquer delito, incluindo homicídios, é de 16 anos. Também não existe a pena de morte no país. "A proposta é de 20 anos de prisão para quem roubar até US$ 3 mil, de 30 anos para quem roubar até US$ 5 mil e de prisão perpétua para quem roubar mais de US$ 5 mil", afirmou. "Assim", acrescentou, "será melhor que não roubem nem um só centavo. Caso contrário, terão problemas. Vou usar de pulso firme", declarou o presidente eleito. Em agosto passado, o Equador foi indicado pela organização não-governamental Transparência Internacional como um dos países mais corruptos do continente. Quanto à sua gestão no governo, que terá início em 15 de janeiro, ele disse desejar ser "o pai de família dos 12,5 milhões de habitantes do país". "Quero romper esse paradigma que coloca uns à direita e outros à esquerda e é por isso que o próximo governo será de acordo nacional, um governo de reconciliação nacional", afirmou Gutiérrez. Vencedor do segundo turno das eleições equatorianas em 24 de novembro, Gutiérrez e o presidente Gustavo Noboa, ao lado de suas respectivas equipes, estão realizando reuniões para troca de informações desde a semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.