AP Photo/Ahn Young-joon
AP Photo/Ahn Young-joon

Presidente filipino diz que renunciará se mulheres protestarem contra ele

Rodrigo Duterte prometeu levar em consideração uma petição se 'suficientes mulheres' a assinarem, mas disse que seu comportamento na Coreia do Sul - quando convenceu uma mulher casada a beijá-lo - é parte de seu 'estilo de fazer política'

O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 11h51

MANILA - O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, afirmou que vai renunciar caso aconteçam grandes protestos de mulheres contra ele, após um polêmico ato público em Seul onde beijou uma mulher nos lábios, segundo informações publicadas nesta quarta-feira, 6, pela imprensa local.

Atos de corrupção crescem nas Filipinas

"Se suficientes mulheres assinarem uma petição para a minha renúncia, eu farei isso", disse Duterte, na noite de terça-feira, quando regressou ao país após sua visita oficial à Coreia do Sul.

No último domingo, durante um evento realizado com a diáspora filipina na capital sul-coreana, Duterte chamou duas mulheres ao palco com a desculpa de presentear-lhes um livro, e pediu a uma delas um beijo nos lábios como compensação.

A mulher, casada, no início hesitou, mas depois se deixou beijar nos lábios sob os gritos de euforia do público de filipinos na sala.

Em cúpula, Duterte canta para Trump: 'você é a luz do meu mundo'

O comportamento do líder foi qualificado de "machista" e criticado por várias organizações de mulheres Filipinas. No retorno ao seu país, Duterte chamou o contato como "puro espetáculo" e afirmou que é parte de seu "estilo" de fazer política, segundo o site de notícias "Rappler".

"Durante os dias em que fazia campanha para a prefeitura (de Davao), beijava todas as mulheres nos lábios", afirmou o político, que antes de assumir a presidência, governou durante mais de duas décadas a maior cidade do sul do país.

O presidente filipino, de 73 anos, mulherengo confesso e conhecido pelos seus frequentes discursos fora de tom, já foi objeto de polêmica em várias ocasiões por comentários considerados sexistas, misóginos ou depreciativos para as mulheres.

Em fevereiro deste ano, por exemplo, pediu aos militares que disparassem nas "vaginas" das guerrilheiras comunistas para que não tivessem filhos.

Antes de chegar à presidência, em junho de 2016, desencadeou fortes protestos por contar uma piada sobre uma freira australiana estuprada e assassinada durante um motim em uma prisão em 1989. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.