REUTERS/Lean Daval Jr
REUTERS/Lean Daval Jr

Presidente filipino mostra dedo médio e solta palavrão ao criticar UE 

Depois de criticar a ONU, os Estados Unidos e o presidente americano e vencedor do prêmio Nobel da Paz, Barack Obama, o bloco europeu é o alvo mais recente de uma reprimenda de Duterte

O Estado de S. Paulo

21 de setembro de 2016 | 15h54

MANILA - O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, exigiu nesta quarta-feira, 21, que a União Europeia (UE) lhe mostre o respeito digno de um chefe de Estado, apesar de ter mostrado o dedo médio e soltado um palavrão contra o bloco depois que parlamentares europeus expressaram preocupação com a guerra às drogas travada por ele.

Revoltado com o pedido feito pelo Parlamento Europeu na semana passada para que demonstre moderação em sua operação repressiva de 11 semanas, que já resultou em diversas mortes, o ex-prefeito da cidade de Davao, no sul filipino, se voltou contra a UE pelo segundo dia e disse que não merece insultos.

"Até a UE está me repreendendo", disse Duterte durante um discurso televisionado de uma base do Exército. "Quando eu era prefeito isso era OK, mas agora é diferente porque sou o presidente. Por que vocês têm de ofender?"

Depois de criticar a ONU, os Estados Unidos e o presidente americano e vencedor do prêmio Nobel da Paz, Barack Obama, a UE é o alvo mais recente de uma reprimenda de Duterte, prática que se tornou parte de seu apelo a milhões de filipinos.

Duterte chegou ao poder em uma eleição em maio prometendo combater o tráfico de drogas, e no mínimo 3,8 mil pessoas foram mortas desde que ele assumiu, no dia 30 de junho.

O Parlamento Europeu pareceu mexer em uma ferida quando emitiu um comunicado conclamando o governo filipino a "pôr fim à onda atual de execuções e mortes extrajudiciais", ao mesmo tempo em que expressou preocupação com "os números extraordinariamente altos de mortos durante operações policiais".

Durante um discurso, feito na terça-feira, Duterte atacou a UE, dizendo "vão se f." e mostrando o dedo médio. / REUTERS 

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.