AP Photo
AP Photo

Presidente francês ri de sua 'deliciosa' gafe na Austrália

Emmanuel Macron disse que ele, o premiê australiano, Malcolm Turnbull, e sua mulher, Lucy, se divertiram durante um jantar com a repercussão do alvoroço midiático causado pelo tropeço linguístico do francês ao agradecer pela hospitalidade do casal

O Estado de S.Paulo

03 Maio 2018 | 09h36

SYDNEY, AUSTRALIA - O presidente francês, Emmanuel Macron, riu nesta quinta-feira, 3, ao saber da repercussão de sua gafe, na véspera, quando chamou de "deliciosa" a mulher do primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull.

Macron tropeça no idioma e chama mulher de premier australiano de 'deliciosa'

A gafe - "delicious" em inglês significa "saboroso", "delicioso", ou "excitante" enquanto que a palavra francesa “délicieuse” pode significar algo como “delicada” ou “agradável” - provocou uma onda de brincadeiras. O tabloide Sydney Daily Telegraph publicou uma foto de página inteira de Macron com a cara de Pepe Le Pew, o galanteador gambá francês da Loonely Tunes.

"Um jornal se divertiu e me fez rir muito, sobretudo, porque, no desenho animado original, o personagem tem sotaque francês", disse Macron à imprensa pouco antes de partir de Sydney ao fim de uma visita de dois dias.

O deslize aconteceu no final de uma entrevista conjunta na quarta-feira, quando Macron se virou para Turnbull e lhe disse: "Obrigado a você e a sua deliciosa esposa por essa calorosa acolhida".

Reformas de Macron despertam a ira dos franceses

Em um jantar privado mais tarde nesse mesmo dia com Turnbull e sua mulher, Lucy, o alvoroço midiático provocado por seus comentário os fez "rir muito", afirmou.

Turnbull também comentou o episódio, assegurando que sua mulher ficou "muito lisonjeada" pelos comentários do jovem presidente da França. "Me pediu que diga que achou o cumprimento do presidente tão encantador quanto memorável", afirmou.

Alguns jornais australianos e comentários no Twitter não foram tão elegantes, preferindo insistir na reputação dos franceses como propensos ao amor. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.