Presidente grego fará último esforço para formar governo de coalizão

Se Karolos Papoulias fracassar - como outros três partidos políticos esta semana - país terá novas eleições.

BBC Brasil, BBC

12 Maio 2012 | 08h54

O presidente grego, Karolos Papoulias, vai dar início neste final de semana ao último esforço para tentar formar um governo de coalizão. Caso ele fracasse, a Grécia não terá alternativa senão convocar novas eleições.

O país passou por eleições no domingo passado, mas nenhum dos partidos conseguiu maioria no Parlamento para formar um governo. Na sexta-feira, o líder do partido socialista Pasok, Evangelos Venizelos, tornou-se o terceiro político a fracassar na tentativa de formar um governo de coalizão.

Neste sábado, Venizelos encontrou-se com Papoulias e devolveu ao presidente o mandato para formação de um governo.

"Eu espero que nas negociações com Papoulias, todos estarão mais maduros e responsáveis na sua forma de pensar", disse Venizelos. O Pasok chegou a obter o apoio do grupo de centro-direita Nova Democracia, do líder Antonis Samaras, mas não conseguiu fechar com um terceiro grupo político - que lhe daria a maioria no Parlamento.

Além do Pasok, o próprio partido Nova Democracia e o esquerdista Syriza foram convidados pelo presidente a tentar formar um governo de coalizão, mas todos fracassaram na tarefa em apenas uma semana.

Austeridade

Os esquerdistas do Syriza rejeitam o pacote de ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional, que exige duras medidas de austeridade em troca por um empréstimo de 130 bilhões de euros (cerca de R$ 330 bilhões).

Na sexta-feira, o líder do Syriza, Alexis Tsipras, disse que seu partido não pode apoiar qualquer coalizão que tente manter este acordo.

"A rejeição a este plano não vem do Syriza, mas nos foi dado pelo povo grego na noite das eleições. A saída com austeridade já foi rejeitada pelo povo grego no seu voto, e nenhum governo pode forçar isso", disse ele.

Analistas dizem que o Syriza espera chegar em primeiro lugar no caso de novas eleições serem convocadas. O partido estaria lidera uma pesquisa de opinião, que indica que nenhuma sigla deve obter a maioria no caso de uma nova votação.

A Alemanha fez um apelo para que a Grécia continue na zona do euro e mantenha o pacote de austeridade.

"Para a Grécia, as consequências (de abandonar o plano e o euro) seriam muito mais graves do que para o resto da zona do euro", disse Jens Weidmann, diretor do Banco Central da Alemanha, em entrevista ao jornal alemão Sueddeutsche Zeitung. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.