Presidente iemenita anuncia intenção de formar governo de união

Saleh faz concessão após líder triba deixar seu partido e passar a defender queda do regime

Efe,

28 de fevereiro de 2011 | 11h19

Manifestantes pedem a renúncia de Saleh no Iêmen. Foto: Khaled Abdullah/Reuters    

SANAA - O presidente do Iêmen, Ali Saleh, garantiu nesta segunda-feira aos partidos da oposição que está disposto a formar um governo de união nacional, segundo a agência oficial de notícias Saba. Uma fonte da presidência citada pela agência explicou que o líder propôs a participação de setores da oposição neste novo Executivo e que seu partido mantenha os principais ministérios.  

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe a 'primavera árabe'

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda

Saleh fez esta proposta ao "Encontro Partilhado", plataforma que agrupa os cinco principais partidos da oposição e é a principal instigadora da revolta popular contra o regime iemenita. A fonte não esclareceu se o presidente recebeu uma resposta positiva desta coalizão, que inclui o partido Reforma Islâmica, o principal opositor.

Desde que começaram os protestos que pedem a renúncia de Saleh, em 27 de janeiro, o presidente rejeitou em várias ocasiões sua proposta de diálogo e de formação de um governo de união nacional. Segundo a rede de televisão Al-Jazira" Saleh disse ainda que se oposição não decidir se unir ao governo em vigor, o presidente entrará em contato com personalidades independentes.

A situação é cada vez mais tensa e, no domingo, o líder pediu aos membros do bloco parlamentar de seu partido para que se unam com o objetivo de fazer frente às manifestações maciças, e insistiu na importância da transferência pacífica do poder através das urnas.

Saleh fez este apelo um dia após um influente líder tribal, Hussein Abdullah al-Ahmar, anunciar sua renúncia ao governante Partido do Congresso Geral Popular e pedir a outros dirigentes para que se unam para derrubar o regime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.